CAROS

Presos federais consomem mais de R$ 100 milhões por ano do governo

Presos federais consomem mais de R$ 100 milhões por ano do governo
28/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Mato Grosso do Sul gasta aproximadamente R$ 110 milhões anuais com 6 mil detentos chamados presos federais, cuja custódia é de competência do governo federal. Segundo informação do jornal Correio do Estado desta terça-feira (28), eles estão superlotando as penitenciárias de Mato Grosso do Sul, onerando os cofres estaduais e ocupando vagas destinadas a pessoas condenadas por crimes que efetivamente são de responsabilidade regional.

Segundo o governador André Puccinelli, a administração estadual gasta mais R$ 9 milhões/mês para tomar conta de presos processados e condenados por crimes de tráfico de drogas, inclusive na modalidade de tráfico internacional. Somente nesta modalidade, por exemplo, são mais de mil presos, preenchendo vagas especialmente em presídios da fronteira ou próximos, como Corumbá, Ponta Porã, Dourados e Naviraí.

Conforme a publicação, o governador reclama que, apesar dessa transferência de ônus, não tem havido compensação, uma contrapartida por parte do governo federal, para ajudar o Estado a fazer frente a tais despesas. Alguns estados tem recebido essa ajuda de custeio.

A reportagem de Thiago Gomes informa que o governador Puccinelli chegou a solicitar indenização da União, ou como compensação que diminuísse contrapartidas exigidas em obras de ampliação dos presídios, mas a resposta vinda de Brasília limita-se a dizer que a coordenação não tem competência para emitir parecer a respeito. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".