Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESTELIONATO

Presos dois integrantes de quadrilha que aplicou golpes de R$ 3 mi em cinco estados

Presos dois integrantes de quadrilha que aplicou golpes de R$ 3 mi em cinco estados
14/03/2014 18:30 - TARYNE ZOTTINO E RAFAEL BUENO


Ademilso Paulo Ferreira Jaques, de 35 anos, e José Carlos Gomes Lucas, de 42, estão presos na 6ª Delegacia de Polícia de Campo Grande, acusados de integrar uma quadrilha que aplicou golpes de R$ 3 milhões em pelo menos 30 pessoas em Mato Grosso do Sul e outros quatro estados: Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso e São Paulo. O bando comprava mercadorias, principalmente alimentos, não pagava os fornecedores e revendia os produtos. Eles abriram a empresa Comércio Rio Minas Ltda, localizada na Rua Baleia, Bairro Coophavila, na Capital, para enganar os clientes. A empresa está em nome de um pedreiro que serviu de laranja e não tem envolvimento com o crime.

O esquema foi descoberto quando uma das vítimas viu que o seu produto estava sendo vendido em um pequeno supermercado. Ele perguntou com quem o proprietário havia negociado e ligou para os golpistas, simulando uma compra. Desconfiado, o empresário acionou a polícia.

De acordo com a delegada responsável pelo caso, Daniella Kades, os R$ 3 milhões foram contabilizados de janeiro até agora, mas a quadrilha agia desde 2007. Os policiais conseguiram apreender R$ 90 mil em produtos que ainda não tinham sido revendidos, como lingüiça, peixe, carnes e sal mineral bovino. Além disso, encontraram um computador, documentos e identidades falsas usadas pela dupla, numa casa no Bairro Tiradentes, que servia de escritório. Outros quatro suspeitos estão foragidos.
 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?