segunda, 23 de julho de 2018

Presos da Gameleira reclamam que estão recebendo comida estragada

18 SET 2010Por 07h:24

Internos do Presídio da Gameleira, localizado na região da saída para Sidrolândia, têm recebido marmitex com comida estragada. Denúncia feita por pessoas que terão as identidades preservadas dá conta de que o episódio já ocorreu pelo menos cinco vezes, sendo que o último caso foi registrado no almoço de ontem.
De acordo com a reclamação, após a distribuição dos marmitex alguns presos se recusaram a consumir a comida e a devolveram aos agentes penitenciários. Os servidores então entraram em contato com o restaurante responsável e os detentos tiveram que aguardar a substituição dos marmitex, que, segundo informações extraoficiais, são adquiridas ao custo de R$ 7 cada uma.
Questionado, o diretor-presidente da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), tenente-coronel Deusdete Souza de Oliveira Filho, respondeu por meio da assessoria de imprensa que ontem foi comunicado sobre o problema através de agentes do Presídio da Gameleira.
A assessoria contou que o diretor recebeu um telefonema da unidade penitenciária informando que nesta sexta-feira o presídio recebeu cerca de 30 refeições que foram rejeitadas pelos internos. Ainda conforme o departamento, a empresa Real Food Alimentação – contratada para fornecer as refeições aos presos – foi notificada e enviou ao local duas nutricionistas, que junto com o diretor da unidade, Edis Vilas Boas, fizeram a degustação e não constataram irregularidade nas condições das alimentações rejeitadas.
Foram verificados os critérios de cor, sabor, odor, aparência e temperatura das refeições. O cardápio de ontem era arroz, feijão, strogonoff de carne e batata ao molho. Após a análise, a reclamação foi descaracterizada, segundo a Agepen.
Já as pessoas que denunciaram o fato confirmaram que as nutricionistas foram até o presídio, mas como as refeições rejeitadas já tinham sido jogadas no lixo, elas teriam provado comida de marmitex que estava boa para o consumo, por isso não encontraram irregularidades na alimentação do dia. (VS)

Leia Também