Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FLAGRANTE

Presos camaroneses que tentaram aplicar o 'golpe da nota preta'

Presos camaroneses que tentaram aplicar o 'golpe da nota preta'
18/02/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Três camaroneses estelionatários foram presos em Campo Grande, tentando aplicar o “golpe da nota preta”, manobra criminosa em que a vítima é convencida que pode ter o dinheiro multiplicado com um truque de ilusionismo, segundo reportagem de hoje no jornal Correio do Estado. Gananciosa e certa de que terá o valor dobrado, acaba entregando grande quantia aos golpistas, que desaparecem sem deixar rastros.

                               Dinheiro, envelopes e outros produtos apreendidos (Foto: Bruno Henrique) 

O golpe é aplicado no Brasil há mais de cinco anos e em Campo Grande os estelionatários agiam há um mês. Uma das vítimas admitiu à polícia não ter caído, somente, porque não tinha o valor pedido. Foram presos Aphatian Duplair Kako, Valery Giscal Ngangum, 32, e Jean Jacques Pierrin, 41. São naturais da República dos Camarões. 

O caso chegou à Delegacia Especializada de Repressão a Crimes de Defraudações e Falsificações, responsável pelas investigações, na sexta-feira, depois que o funcionário de um posto de combustíveis, comentou o fato com um policial, que, por sua vez, levou o caso à delegacia. 

Conforme a delegada Fernanda Mendes, o homem contou que conheceu Aphatian e Valery no posto de combustíveis onde trabalha. Eles se apresentaram bem vestidos, alegando serem milionários e indagando se sabia de alguém que estivesse vendendo posto, porque tinha intenção de entrar no negócio. A reportagem é de Laura Holsback

Felpuda


Engana-se quem acha que diminuiu a voracidade de ter fatia de cobiçado bolo por parte de “quem manda”. O recuo realmente houve, mas só por enquanto e por uma questão de estratégia, até porque, nas primeiras investidas, as portas não se abriram. E continuam fechadas. Mas quem conhece bem a dita figurinha aposta que ela não desistirá até encontrar, digamos,  um “chaveiro amigo”. Essa gente não sossega nem diante da pandemia... Afe!