Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

OPERAÇÃO ACAMATANGA

Presos acusados de tráfico de animais e formação de quadrilha

31 MAR 2011Por VÂNYA SANTOSE ROSANA SIQUEIRA11h:40


A Operação Acamatanga que desmantelou quadrilha que atuava no tráfico de animais silvestres em três estados (Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná) terminou com prisão de dez envolvidos. Outros três integrantes do bando estão foragidos.

Segundo o delegado Mário Nomoto da Delemaph (Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais e Contra o Patrimônio Histórico), a quadrilha atuava há uma década na atividade ilícita e já havia sido flagrada nove vezes. Eles iam para a delegacia, assinavam um termo e depois ficavam em liberdade.
As investigações da PF tiveram início de outubro ano passado através de um inquérito que tramita na 1ª Vara da Comarca de Ivinhema. Os levantamentos mostram que a quadrilha era dotada de estrutura organizacional com logística de captura, transporte, cativeiro e revenda das mais diversas espécies de animais silvestres, tais como: Arara-canindé, papagaios-verdadeiros, tucanos, pássaros-preto e coleiras-do-brejo.

A base da organização criminosa funcionava em Guarulhos (SP) e era comandada por Marco Antônio Alves Plácido, com ajuda da mulher Bruna de Souza Santos e do sogro. A quadrilha contava ainda com a participação de um sargento da reserva da PM de SP, que levava os animais de um estado para outro sempre dando carteirada na polícia para não ser flagrado.

O bando também tinha comparsas em MS e no Pará. Em Mato Grosso do Sul foram presos Pedro Sebastião da Silva, Aparecido Ferreira dos Anjos e Wilson Roberto Araújo (este último mantinha o cativeiro das aves no Estado). Outro suposto integrante da quadrilha no Estado, Ismael Antônio da Rocha foi conduzido para prestar depoimento em Naviraí.
 

Foram expedidos 13 Mandados de Prisão Temporária e 16 Mandados de Busca e Apreensão e um Mandado de Condução Coercitiva, que serão feitos nas cidades de Ivinhema, Anaurilândia e Taquarussu.

Os mandatos também estão sendo cumpridos em Goianésia e Jacundá, no Pará, além das cidades de Guarulhos e Araras, em São Paulo.

Os acusados, de acordo com a PF, as pessoas foram indiciadas por tráfico de animais silvestres, maus tratos contra animais e formação de quadrilha. Ele tiveram prisão preventiva decretada.

Leia Também