Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

Preso o contrabandista acusado de matar auditor da Receita Federal

20 MAR 2010Por 03h:21
Alcides Carlos Grejianim, de 49 anos, considerado um dos maiores contrabandistas de cigarros da região de fronteira com o Paraguai, foi preso no final da tarde de quinta- feira, em Porto Murtinho. Ele é acusado de movimentar cerca de R$ 5 milhões por mês em produtos contrabandeados do país vizinho. Grejianim também estaria envolvido na morte do auditor da Receita Federal Carlos Renato Zamo, cujo corpo foi encontrado carbonizado no ano de 2006, na margem da MS-295. Conforme as informações repassadas pela delegacia de Polícia Federal em Ponta Porã, Grejianim, que também atende pelo apelido de “Polaco”, foi preso durante barreira montada pelos agentes da PF e da Força Nacional em Porto Murtinho, perto da fronteira com o Paraguai. Ao ser parado para fiscalização, ele informou ser morador no município de Eldorado, cone sul do Estado, mas disse que estava na região por ser proprietário de fazenda em território paraguaio. Durante checagem da documentação, os policiais descobriram que havia um mandado de prisão em aberto expedido pela justiça da comarca de Goiânia-GO, em caráter condenatório. Em 2007, “Polaco” já tinha sido preso durante a “Operação Contranicot” desencadeada pela Polícia Federal. Ele seria o líder de um grupo responsável pelo contrabando de mais de 5 mil caixas de cigarros a cada 30 dias, que são levadas para o estado de Goiás, movimentando uma quantia estimada em R$ 5 milhões por mês. No ano de 2008 a Polícia Federal em Naviraí, confiscou do contrabandista mil cabeças de gado, conforme determinação da justiça. Outro crime em que aparece o nome de “Polaco”, segundo a PF de Ponta Porã, refere-se à execução e depois incineração do corpo do auditor da Receita Federal do Brasil, Carlos Renato Zamo, cujo corpo foi localizado na margem da MS-295, em outubro de 2007, na região sul do Estado. Execução Luiz Carlos Zamo foi encontrado com o corpo carbonizado no dia 27 de outubro de 2006, no interior da caminhonete S-10, placas HSL- 0357, de Mundo Novo-MS. Durante as investigações, a Polícia Federal prendeu “Polaco” e outros supostos envolvidos, entre eles, o ex-prefeito da cidade de Eldorado Pedro Luiz Balan, que acabou solto depois de vencer a prisão temporária. Também foram presos, e posteriormente liberados, Luiz Carlos Favato de Aro, o policial militar Júlio Cezar Roseni e Antônio José da Silva Júnior. Uilson Francisco de Oliveira e Roque Fabiano Silveira também foram citados como supostos envolvidos na morte do funcionário federal. Durante as investigações, à época, o delegado da PF, Edgar Paulo Marcon, concluiu que o auditor da Receita Federal foi assassinado porque estava envolvido com a quadrilha de “Polaco” e pretendia deixar a facção. Os criminosos teriam prometido até um reajuste na mensalidade de US$ 8 mil que estaria sendo paga ao auditor. O ex-prefeito de Eldorado Pedro Luiz Balan, segundo a polícia, atuava como consultor da quadrilha, indicando rotas e formas de negociação.

Leia Também