Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

flamingos

Preso jovem acusado de promover tráfico em residencial

4 DEZ 2010Por NADYENKA CASTRO05h:15

Filho de uma ex-procuradora do Estado e de um fazendeiro da região de Dourados, André Luiz dos Santos, 23 anos, foi preso por volta das 7 horas de ontem, no apartamento dele, situado no Residencial Flamingos, em Campo Grande, por tráfico de drogas. De acordo com a Delegacia Especializada de Repressão ao Tráfico de Drogas (Denar), "Dedé", como o rapaz é conhecido, vendia entorpecentes, anabolizantes e ainda ameaçava moradores e funcionários do condomínio.

No apartamento dele, decorado com vidros blindex e estruturas sofisticadas feitas em gesso, os policiais apreenderam cocaína, maconha, 15 ampolas de anabolizantes, uma motocicleta Yamaha YBR, ácido bórico (produto utilizado para batizar a cocaína) e R$ 1.284. Conforme os policiais, André vendia drogas há, pelo menos, dois anos. Ele vendia os entorpecentes por meio de um sistema de disque-drogas – em que os usuários ligam, fazem o pedido e marcam local e hora para entrega. O esquema já é comum e velho conhecido pelos policiais.

À polícia André disse que começou a traficar porque precisava de dinheiro. "Não entrei na faculdade e fiquei sem a pensão da minha mãe. Aí minha namorada ficou grávida e não consegui emprego", diz. Em lágrimas, o rapaz conta que "saia nas baladas, curtia muito as noitadas".

Ele confessa que vendia drogas. Os clientes eram "homens, mulheres e adolescentes. Senhor e senhora não", declara. "Era o pessoal lá de perto. Do condomínio, das vilas ali", fala André referindo-se aos bairros Santo Antônio, Santo Amaro, Vila Alba e Lar do Trabalhador. Sobre os anabolizantes, diz que eram para consumo próprio, já a polícia revela que ele vendia para frequentadores de academia de ginástica. Apesar de a polícia ter informações de que ele ameaçava os vizinhos para intimidá-los, o acusado negou as acusações. "Só uma vez que eu bati em um menino. Eu fui para o shopping tomar uma torre (chopp) e deixei meu celular com ele. Quando cheguei ele tinha vendido. Aí bati nele. Nunca ameacei ninguém".

Segundo a Denar, André já era investigado há algum tempo. Os policiais pediram à Justiça mandado de prisão para ele, que foi concedido, e então, ontem, pela manhã o prenderam, no próprio apartamento. O imóvel fica a poucos metros da Superintendência da Polícia Federal.

Leia Também