INVESTIGAÇÃO

Preso confessa plano para matar juízes de Três Lagoas

Preso confessa plano para matar juízes de Três Lagoas
31/07/2012 17:15 - DA REDAÇÃO


Policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Três Lagoas prenderam ontem (30) Anderson Campos Silva, de 33 anos, em uma casa na Avenida Eloy Chaves no bairro Vila Nova.

Com a prisão de Anderson, a polícia descobriu um plano que seria executado nos próximos dias para matar juízes da cidade. Neste momento, a polícia investiga se as ações seriam feitas no Fórum local.

Anderson era foragido da Justiça e é conhecido nos meios policiais por possuir vasta ficha criminal com passagens por porte ilegal de arma de fogo e tráfico de drogas.

Mesmo em liberdade condicional, ele foi preso e autuado em flagrante por associação ao tráfico de drogas em 2009 durante a “Operação Festa”, quando participava de um evento regado à bebidas e drogas.

Na época, ele foi transferido para o Presídio Federal de Porto Velho (RO). No dia 14 de maio deste ano, passou para o presídio semiaberto de Três Lagoas e, em 17 de julho, fugiu.

Depois de 13 dias de investigações, a polícia recebeu uma informação de que Anderson havia escapado de Policiais Rodoviários Federais (PRF) durante uma abordagem seguida de perseguição na BR-262.

Ontem, a polícia localizou um GM Montana caído em um córrego às margens da rodovia e constatou que o motorista havia fugido deixando no interior do automóvel vários pertences pessoais. Neste momento, a polícia descobriu que se tratava de Anderson.

Ao ser encontrado, ele não resistiu à prisão e foi levado para o Presídio de Segurança Média (PSM) de Três Lagoas.

(Com informações do Rádio Caçula)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".