Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Presidiários estão envolvidos na morte de agente

Presidiários estão envolvidos na morte de agente
12/07/2012 10:00 - DA REDAÇÃO


A Delegacia Especializada de Homicídios (DEH) concluiu as investigações sobre o assassinato do agente penitenciário Hudson Moura da Silva, 34 anos,  ocorrido na tarde do dia 31 de outubro de 2011, no Estabelecimento Penal de Regime Aberto e Casa de Albergado, em Campo Grande.

Segundo as investigações, o motivo do crime seria porque no dia 27 daquele mês, no exercício de suas funções, o  agente surpreendeu Rafael Gomes Gonçalves, 24 anos, no momento em que ele tentou entrar no estabelecimento com três aparelhos de telefone celular, uma certa quantia de maconha e pasta-base de cocaína. Os celulares eram de sua propriedade, mas a droga seria de Adriano José Lopes Moura (31 anos), também conhecido por "Barão".

Na oportunidade, Hudson efetuou a apreensão, o que causou a revolta dos envolvidos, que passaram a ameaçá-lo de morte.

De acordo com testemunhas, alguns dias depois, no dia 31, chegaram dois homens em uma motocicleta, um deles Rafael Gomes Gonçalves, o qual fez vários disparos de arma de fogo contra o agente  Há suspeitas de que o outro motociclista seria Adriano, o mandante do crime.

Após a prática do crime, Rafael e Adriano admitiram, para testemunhas, a participação. Por conta destas informações, eles passaram a ameaçar uma das testemunhas, que prestou depoimento à polícia.

Rafael e Adriano foram indiciados por homicídio doloso. Os dois já cumprem penas por outros crimes, sendo que o primeiro está cumprindo pena por furto no Centro Penal Agroindustrial da Gameleira, em regime semiaberto, enquanto o segundo cumpre por tráfico de drogas, na Casa do Albergado.

Felpuda


Dez vereadores da Capital mudaram de partido na tentativa de encarar a reeleição ou, dependendo do caso, disputar a vaga de vice-prefeito. Legendas foram “engordadas”, outras entraram em estado de inanição e outras ainda simplesmente sumiram do mapa. Que ninguém ouse perguntar a quem “trocou de camisa” qual a linha programática dos partidos em que agora estão filiados. Seria para eles, digamos, questão de pouca importância. Política tem dessas coisas...