Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Presidente do PSG nega qualquer contato para contratar Lionel Messi

Presidente do PSG nega qualquer contato para contratar Lionel Messi
29/01/2014 11:30 - terra


O presidente do Paris Saint-Germain, Nasser Al-Khelaifi, negou, em entrevista a um jornal francês publicada nesta quarta-feira, ter iniciado qualquer negociação com Lionel Messi ou com o Barcelona, já que considera a contratação do craque argentino impossível.

"Não houve nunca contato com Messi. Não falei com o Barcelona. Nunca", disse o magnata catariano ao "Le Parisien".

Al-Khelaifi ainda afirmou que não gosta de ouvir os rumores sobre a transferência do camisa 10 da equipe catalã. No fim de semana passado, o jornal francês "L'Équipe" publicou que dirigentes do PSG e o próprio presidente do clube iniciaram ofensiva para ter Messi.

Outra entrevista foi publicada hoje com o dirigente, pelo próprio "L'Équipe". Ao ser perguntado se acha que um dia terá o argentino em sua equipe, Al-Khelaifi foi taxativo: "não, nunca".

O presidente do PSG ainda ironizou a informação do jornal francês sobre o valor da contratação, 250 milhões de euros (R$ 800 milhões): "se vocês têm dinheiro para fazê-lo vir, façam ele assinar e tragam ele para Paris".

Ainda de acordo com o "L'Équipe", o Paris Saint-Germain havia aberto negociações com o pai de Lionel Messi, Jorge. Além disso, a publicação garantiu que as demais estrelas do clube, entre eles o sueco Zlatan Ibrahimovic e Thiago Silva, deram aval a contratação.

Al-Khelaifi, por outro lado, falou sobre a chegada do volante francês Yohan Cabaye. Mostrando desconhecimento sobre o atleta e apesar de negar o acerto com o Newcastle, atual clube do jogador, supostamente por 20 milhões de euros, o presidente deixou escapar o motivo da contratação.

"Nunca o vi, mas me disseram que é um bom jogador. É francês, e é muito importante para nós contratar jogadores franceses, para que voltem ao Campeonato Francês", afirmou.

Felpuda


Ao que tudo indica, partido teria criado “racha” apenas visando jogar para a plateia, e, assim, quem estava com a corda toda anunciou que se prepara para o desembarque. Nos bastidores o que se ouve é que o tal fundo partidário seria o motivo da desavença e que quem nunca comeu mel quando come se lambuza. Só que não. A estratégia é continuar “dono” da atual legenda e “tomar a frente” de partido que está em fase embrionária. Tudo inspirado na “velha política”.