Campo Grande - MS, quarta, 22 de agosto de 2018

NOVO PARTIDO

Presidente do PSB-SP defende Kassab

9 MAR 2011Por FOLHA ONLINE09h:20

Alvo de críticas de correligionários, o presidente do PSB em São Paulo, Márcio França, saiu em defesa da movimentação partidária do prefeito Gilberto Kassab e atacou o "personalismo" dos políticos de sua legenda.

França é peça central na articulação política de Kassab. O prefeito pretende criar uma legenda, o PDB, e depois promover sua fusão com o PSB. A manobra seria usada para que ele deixasse o DEM sem risco de ser cassado por infidelidade partidária.

Ao lado de Eduardo Campos, presidente nacional do PSB, Márcio França é fiador dessa estratégia.

Mesmo não admitindo o acerto com Kassab, ele defende o prefeito e critica aqueles que "têm medo" de perder espaço com a chegada dele. "O Kassab não está dividindo o partido. A gente passa a vida inteira tentando convencer as pessoas de que o nosso campo é o certo. Se o cara acha isso, eu tenho que estar comemorando, não criticando", afirmou.

França citou nominalmente personagens como os deputados federais Luiza Erundina e Gabriel Chalita, ambos de seu partido.

A primeira, em entrevista à Folha, criticou abertamente a movimentação de Kassab, a quem chamou de "representante de forças conservadoras". Já Chalita iniciou conversas com outros partidos por entender que, com a migração do prefeito, perderá espaço na legenda.

"A Erundina é uma figura histórica, de importância para o partido, mas uma legenda também precisa de puxadores de votos. Sem eles, muita gente teria ficado de fora nessas eleições. Ela inclusive", disse França.

O tom do presidente do PSB em São Paulo é uma resposta a críticas da deputada. "Ele decide tudo sozinho. Não faz consultas. Age como se fosse o dono do PSB", disse Erundina, ao avaliar o ingresso de França no governo de Geraldo Alckmin.

O presidente estadual do PSB é secretário de Turismo de Alckmin. "A aliança foi aprovada por toda a Executiva Estadual. O PSB achou que poderia fazer parte do projeto de Alckmin e isso não nos cria nenhum constrangimento", disse França.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também