Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DESMENTIDO

Presidência síria nega declarações atribuídas a Bashar Al Assad

Presidência síria nega declarações atribuídas a Bashar Al Assad
19/01/2014 13:15 - AGÊNCIA BRASIL


 A presidência síria negou hoje (19) as afirmações que foram atribuídas ao presidente da Síria durante uma reunião com deputados russos, nas quais afirma que não tem intenção de deixar o poder.

"O que a agência de notícias russa Interfax publicou como declarações do presidente Bashar Al Assad está errado", disse o serviço de imprensa da presidência síria, em comunicado, sem explicar que parte das declarações estava errada ou mal traduzida.

O presidente da Síria, Bashar Al Assad, foi citado hoje como dizendo que se tivesse um plano para se demitir, já o tinha executado, e acrescentou que só o povo sírio é que tem o poder de determinar o futuro do país.

"Se nos quiséssemos render, tínhamos nos rendido logo no princípio", disse o presidente a um conjunto de deputados do Parlamento russo, durante uma visita a Damasco, citado pela AFP, que usou a notícia publicada pela agência noticiosa russa Interfax.

"Este assunto não está em discussão", respondeu o chefe de Estado, quando lhe pediram um comentário aos pedidos da oposição local e de vários países no Ocidente, que defendem que ele deve se demitir e convocar eleições antecipadas.

"Só o povo sírio pode decidir quem deve participar nas eleições", acrescentou na intervenção, traduzida para russo.

As declarações surgem a poucos dias da reunião Genebra 2, uma conferência para a paz na Síria, na próxima quarta-feira (22).

O presidente da Coligação Nacional Síria, Ahmad Jarba, afirmou no sábado (18) em Istambul, Turquia, que a oposição irá à Conferência de Paz de Genebra com o único objetivo de “se livrar” do presidente Bashar Al Assad.

“As negociações de Genebra têm como único propósito atender às exigências da revolução […] e antes de mais nada retirar ao talhante [Assad] todos os seus poderes”, disse Ahmad Jarba.

O conflito na Síria já provocou perto de 130 mil mortos desde março de 2011, de acordo com as Nações Unidas.

Felpuda


Outrora afinadíssimo com o presidente Jair Bolsonaro, parlamentar sul-mato-grossense começou a ser escanteado em consequência de uma das crises políticas de grande repercussão. A figura entrou em campo e botou falação sobre o que estava ocorrendo, e isso soou que só como crítica pesada ao governo, que, como não poderia deixar de ser, não gostou nadica de nada. Há quem diga que o dito-cujo é muito levado “pelo sangue”. Então, tá!...