DOURADOS

Presa mulher com joias roubadas e arma que seria de integrante do PCC

Presa mulher com joias roubadas e arma que seria de integrante do PCC
30/01/2014 18:30 - DOURADOS AGORA


Policiais da Delegacia Especializada de Repreensão aos Crimes de Fronteira (Defron) prenderam nesta quinta-feira uma mulher de 50 anos, moradora na rua Uirapuru, no BNH 4º Plano, acusada de porte de uso de arma restrita e receptação.

Com um mandado de busca e apreensão, os policiais foram até a casa da mulher. No local apreenderam uma pistola 9mm com várias munições, diferentes tipos de joias e R$ 4,4 mil em espécie. Os produtos teriam origem de roubo.

À polícia, a mulher disse que tudo pertencia a um conhecido, morador na Vila Cachoeirinha, que pediu para ela guardar, no entanto, se negou dar mais informações.

Informações da polícia é que a arma, as munições, o dinheiro e as joias foram roubadas por um dos filhos dela, foragido, e apontado sendo uma das lideranças da organização criminosa PCC em Mato Grosso do Sul. A mulher tem um outro filho preso na penitenciária em Dourados.

Ainda não está confirmado, mas a polícia acredita que as joias possam pertencer a uma mulher que teve joias furtadas enquanto mostrava mostruários a um homem, no mês passado.

A vítima foi assaltada em sua casa, no bairro Izidro Pedroso, local onde combinou de mostrar os produtos. O prejuízo foi de R$ 60 mil.

A polícia agora está a procura o filho da mulher presa nesta quinta-feira. Segundo a polícia, ele seria especialista em roubo a joalherias e supermercados.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".