sexta, 20 de julho de 2018

Prefeitura reforçará a Guarda Municipal

24 SET 2010Por 07h:57

anahi zurutuza

Na próxima semana, a Guarda Municipal de Campo Grande vai receber o reforço de mais 104 homens aprovados em 2009 no concurso público para integrar o órgão, mas que ainda não haviam sido convocados. De acordo com o secretário municipal de Governo e Relações Institucionais, Rodrigo de Paula Aquino, os novos guardas municipais passarão também por um curso de formação, que está sendo desenvolvido em parceria com Centro de Formação e Aperfeiçoamento Profissional (CFAP) da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul.
Os outros quase 1,1 mil guardas só devem passar pela nova qualificação, que implica habilitar os profissionais para usarem a mesmas técnicas aplicados por policiais militares no dia-a-dia, a partir do próximo ano. De acordo com Aquino, os profissionais que já tiverem passado pelo especialização na Polícia Militar vão fazer parte de um grupo tático da Guarda Municipal. “Queremos a guarda trabalhando também na segurança da população de Campo Grande e não só na parte de segurança patrimonial”.
Para o comandante da Guarda Municipal, tenente-coronel Paulo César Monteiro Ayres, alguns dos guardas que passaram por especialização no CFAP já estão realizando trabalhos de combate ao crime em Campo Grande. No dia 12 deste mês, os profissionais conseguiram impedir um estupro. “Alguns dos nossos homens estão participando dos cursos do CFAP para a formação de soldados da PM. Ainda estamos trabalhando na formulação de uma grade específica para a Guarda Municipal, mas alguns dos profissionais daqui já participam de capacitações”.

Armamentos
Em agosto, o prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), esteve em Brasília (DF) para protocolar projeto que pleiteia recursos, na ordem de R$ 3 milhões, do Ministério da Justiça, por meio do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), para armar, comprar viaturas e equipamentos mais modernos para a Guarda Municipal de Campo Grande. De acordo com o secretário de Governo,  o ministério ainda está analisando a proposta e, se aprovado, os recurso só serão liberado depois das eleições. “Como se trata de transferência não constitucional, só pode acontecer fora do período eleitoral”, explica.

Leia Também