Terça, 20 de Fevereiro de 2018

CENTRO DA CAPITAL

Prefeitura promete pôr fim à poluição visual até junho

23 DEZ 2010Por DANIELLA ARRUDA 04h:05

O prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), afirmou ontem, durante balanço de ações do ano de 2010, que vai "correr atrás" de recursos em 2011 para poder dar continuidade ao projeto de revitalização do centro, cuja previsão orçamentária ultrapassa os R$ 100 milhões e está sendo pleiteada por meio do PAC das Cidades Históricas. Ele também anunciou que o Programa Cidade Limpa, com objetivo de eliminar a poluição visual da região central, deve começar a vigorar ainda no primeiro semestre. "Até junho do ano que vem, outdoors, painéis e outros tipos de publicidade que estiverem no quadrilátero previsto no projeto de revitalização vão ter que sair. As fachadas também vão ter que ser padronizadas e será dado um prazo para os comerciantes fazerem as alterações. Não é um trabalho que se faz de um dia para o outro", explicou.

As medidas restritivas valerão para o quadrilátero formado pela Rua 14 de Julho, entre a Avenida Fernando Corrêa da Costa, Avenida Ernesto Geisel, Rua Padre João Crippa, região da Igreja São José e também da rodoviária desativada.

O Programa Cidade Limpa já começou a ser implementado em agosto deste ano, com a proibição de novas autorizações de publicidade por meio de faixas colocadas nos canteiros centrais das avenidas de Campo Grande, sempre acompanhadas por funcionários das empresas de propaganda, denominadas "faixas móveis".

 Balanço
A informação da revitalização foi prestada ontem após o prefeito fazer balanço dos investimentos na Capital. Ele falou que no ano passado foram viabilizados R$ 500 milhões em recursos para obras em Campo Grande, entre verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 1) e emendas parlamentares. A prefeitura da Capital terá que buscar aproximadamente outros R$ 500 milhões em verbas para dar prosseguimento aos serviços que estão em andamento e iniciar novas obras previstas para 2011.

Entre elas, estão os dois macroprojetos selecionados pelo PAC 2 — urbanização de fundo de vale dos córregos Bálsamo, Lageado, Taquaral Bosque, construção de mil casas populares e manejo de águas pluviais do Rio Anhanduí, córregos Cabaças e Areias, que juntos totalizam R$ 100 milhões – e a revitalização do centro da cidade, orçada em torno de R$ 186 milhões, que inclui a continuidade das obras do Centro de Belas Artes, orçado em R$ 40 milhões e com 33% desse valor liberado até o momento.

Dois dos projetos terão ordem de serviço assinada hoje – as obras da segunda etapa da Orla Morena e da Orla Ferroviária, ambas orçadas em R$ 11,5 milhões (veja matéria nesta página). As demais, que são a revitalização da Avenida Júlio de Castilhos e da Praça Ary Coelho, começam ainda no primeiro semestre do ano que vem.

 Obras
Na área de infraestrutura, o prefeito listou como destaques deste ano a entrada em funcionamento do novo terminal rodoviário de Campo Grande, a conclusão do Parque Linear do Cabaça e das obras emergenciais das ruas Ceará e Mato Grosso, orçadas em R$ 20 milhões, faltando apenas uma alça de acesso entre a Ceará e a Ricardo Brandão, obra essa que deve ficar pronta em 15 dias. Também foi entregue a parte viária do Parque Linear do Segredo, que será inaugurado até março do ano que vem.

As obras da Via Morena serão inauguradas no primeiro semestre de 2011 e também fica para o ano que vem a conclusão do Parque Linear do Lagoa e o complexo Imbirussu-Cerradinho, este último com previsão de inauguração ainda no primeiro semestre.


 

Leia Também