CAMPO GRANDE

Prefeitura prevê economia mensal de R$ 4 milhões

Prefeitura prevê economia mensal de R$ 4 milhões
23/07/2012 17:15 - TARYNE ZOTTINO


A Prefeitura Municipal de Campo Grande (MS) deve reduzir seus gastos em R$ 4 milhões, o que significa que até dezembro será feita uma economia acumulada de R$ 24 milhões com contas de água, energia elétrica, telefone, passagens áreas, combustível, prestadores de serviço, entre outras despesas. Tudo para garantir o equilíbrio das contas públicas diante da perspectiva de redução dos repasses do Fundo de Participações dos Municípios (FPM) e queda na arrecadação do ICMS. De acordo com o prefeito Nelsinho Trad, trata-se de uma medida preventiva e não haverá comprometimento das obras lançadas ou que estão em andamento. A medida foi oficializada no decreto 11.902, assinado na última sexta-feira (20) e publicado hoje (23) no Diário Oficial do Município.

Conforme o secretário Municipal de Planejamento, Finanças e Controle, Paulo Nahas, o decreto determina que os gastos sejam reduzidos em, no mínimo 20%, entre 21 de julho e 31 de dezembro deste ano em relação à média das despesas dos gastos efetuados no período de janeiro até o último dia 30 de junho. A meta deve ser alcançada por todas as secretarias, autarquias e fundações municipais. A repartição que extrapolar seus gastos, no período seguinte perde uma fatia maior da sua quota.

O principal motivo da necessidade de diminuir os gastos foi a redução em 14,66% no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) de junho em relação à maio, que caiu de R$ 10,6 milhões para R$ 9 milhões, perda de R$ 1,5 milhão. Os dois primeiros repasses de julho foram 18% menores que o valor recebido no mesmo período em 2011. Somaram-se a esses indicadores a previsão de queda da atividade econômica, com estimativa de desaceleração do PIB (Produto Interno Bruto) e projeção de queda da receita de ICMS no segundo semestre.

(Com informações do CG Notícias)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".