Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

CORUMBÁ

Prefeitura manda embargar obras da Sanesul

18 ABR 2011Por DIÁRIO ONLINE09h:13

Após percorrer bairros da parte alta e a área central de Corumbá, no fim de semana, o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira, anunciou que determinou à Secretaria de Infraestrutura do Município, o embargo das obras de esgotamento sanitário, realizadas pela Sanesul - empresa do Governo do Estado - com recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). O motivo é a má recuperação do pavimento asfáltico depois que as ruas foram abertas para a execução do serviço.

As obras iniciaram no final de 2008, com investimentos aproximados de R$ 30 milhões. O projeto já inclui a recuperação do asfalto, porém, desde o início, empreiteiras contratadas pela Sanesul não refazem o pavimento com a qualidade necessária. A situação se agravou com as chuvas de fevereiro e março deste ano. A maior parte das ruas por onde a obra passou, ficou praticamente intransitável.

Na rua Cyríaco de Toledo, que agrega quatro bairros (Nova Corumbá, Popular Nova, Jardim dos Estados e Guarani), os motoristas têm a impressão de estar num "rali", diante da quantidade de crateras exatamente nos pontos abertos para a obra de esgotamento sanitário. No Nossa Senhora de Fátima, na rua 21 de setembro, o tráfego se tornou um caos por causa dos buracos. A obra "cortou" a via transversal e longitudinal. Situação semelhante aconteceu na rua Dom Pedro II, na divisa dos bairros Popular Nova e Aeroporto. Na rua Teodomiro Serra, no bairro Popular Velha, o asfalto recuperado pelas empreiteiras na faixa de execução da obra, está afundando. Estes são apenas alguns exemplos.

O secretário Wilson Cabral Tavares, titular da Secretaria de Estado de Obras Públicas e de Transportes, recebeu documentos da Prefeitura, inclusive com registro fotográfico, relatando a situação. Ele determinou que a Sanesul - anteriormente notificada pela Secretaria Municipal de Infraestrutura - refizesse, de modo qualitativo, a recuperação do asfalto das ruas onde implantou rede de água e esgoto na cidade. A empreiteira Equipe foi contratada para realizar o serviço, iniciado no dia 07 de abril.

"O secretário Wilson Cabral viu que precisava tomar essa medida porque houve uma péssima recuperação do serviço de esgotamento sanitário quando da execução das obras. É fácil de comprovar isso tecnicamente. Mas a questão é que a recuperação está num ritmo muito lento e a Sanesul está abrindo novas frentes, persistindo o problema. Por isso, determinei à secretaria de Infraestrutura o embargo das obras até que a Sanesul apresente o cronograma de recuperação e defina prazos", disse o prefeito ao Diário. "É uma atitude extrema, mas necessária, pois já temos os nossos problemas, de ruas, cujo pavimento é antigo e com as chuvas, os estragos foram grandes", enfatizou Ruiter.

Com três frentes de trabalho, a Prefeitura de Corumbá promove a recuperação das ruas e serviço tapa-buracos nas vias em piores condições. "Tão logo o tempo permitiu, abrimos as frentes de trabalho para dar condições de tráfego aos motoristas e rapidamente eliminarmos alguns focos."

Segundo o chefe do Executivo Municipal, a Prefeitura finaliza um diagnóstico para a execução de um serviço mais incisivo. "É um levantamento daquelas ruas que vamos fazer recapeamento geral, ou seja, onde a base nos dá condição, não se perdeu, vamos tirar, quando for o caso, aquela pavimentação ruim e refazer. Tão logo terminemos esse levantamento, vamos contratar a empresa responsável para fazer isso", explicou o prefeito.

Casas do PAC

Por outro lado, Ruiter afirmou que segue esperando a Sanesul promover as ligações das redes de água e esgoto nas casas construídas pela Prefeitura com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O Município entregou 272 unidades habitacionais no final do ano passado.

"Estamos aguardando o papel da Sanesul em fazer as ligações de água e esgoto, foi uma situação pactuada quando do início da construção das casas. Para nossa surpresa, quando chegou o tempo de fazermos a pavimentação final, a Sanesul disse que não tinha como fazer isso, quebrando o compromisso que havia assumido dentro de uma situação pactuada no PAC 1. O Ministério das Cidades constatou isso e de imediato determinou que conclua rapidamente o que havia se comprometido a fazer. Fizemos as casas, que era o nosso compromisso, estão prontas, algumas deteriorando, já era para terem sido entregues às famílias cadastradas", afirmou o prefeito. "Esperamos que dentro do prazo determinado pelo Governo Federal, ela (Sanesul) faça essa intervenção para que consigamos entregar essas unidades àquelas pessoas que precisam ter a casa própria e sair de áreas de risco, onde atualmente vivem", finalizou o chefe do Executivo corumbaense.

Leia Também