Segunda, 22 de Janeiro de 2018

Prefeitura inicia programa de conscientização pela segurança no trânsito

9 AGO 2010Por 23h:00
     

A Campanha educativa "Sou esperto. No trânsito faço o certo! Uma estratégia de vida: trânsito seguro e paz é a gente que Faz" começou a ser implementada pela Prefeitura de Campo Grande no dia 02 de agosto. Foram colocados outdoors, com o slogan da campanha, em dez pontos da cidade com grande fluxo de veículos, além de busdoor em veículos do transporte coletivo.

As ações do projeto incluem ainda a distribuição de folders explicativos, principalmente nas escolas e nas blitze educativas e ainda, a distribuição de cem mil adesivos para carros e motos com o slogan da campanha. O site da prefeitura, a partir desta semana, deve veicular mensagens de sensibilização pela segurança no trânsito.

A idéia é atingir pelo menos vinte mil pessoas com todo o trabalho de divulgação e a utilização dos recursos da mídia. Para cobrir os meios de comunicação eletrônicos, foram elaboradas mensagens de educação no trânsito para o rádio (spots) e a televisão (vídeo).

A gerente técnica do Núcleo de Prevenção de Violências da Sesau, Maria Sueli Nogueira, resume o objetivo do projeto. "Procuramos fortalecer o comportamento correto e seguro no trânsito. Mais do que uma ação de prevenção, é uma estratégia de promoção da vida".

A iniciativa resulta do trabalho em conjunto realizado pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), entidades integrantes do Comitê Municipal de Prevenção de Acidentes e Violência no Trânsito e Uniderp.

 

Estatísticas

Em 2009, aconteceram 7.654 acidentes de trânsito em Campo Grande, que provocaram 184 mortes. Mais da metade das mortes, ou seja, 104 casos, que correspondem a 56,52%, ocorreu na faixa etária dos 20 aos 49 anos, sendo que a maioria das vítimas era do sexo masculino.

Os principais fatores de risco apontados pelos órgãos de trânsito são: excesso de velocidade, direção sob efeito de bebida alcoólica, imprudência, uso incorreto ou a não utilização do capacete ou do cinto de segurança e problemas na infraestrutura das vias públicas.

"Notamos a dificuldade de mudança de comportamento dos motoristas se não houver uma penalização. Não estamos falando de multas, mas da importância de se cuidar e preservar a vida", alertou Maria Sueli.

Leia Também