Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Prefeitura do Rio pagará casas a desabrigados

Prefeitura do Rio pagará casas a desabrigados
13/04/2010 21:33 -


Rio de Janeiro

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), anunciou ontem que as famílias transferidas para as moradias do programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal, não precisarão pagar as prestações mensais. O município vai pagar esses valores.

Com o governador Sérgio Cabral (PMDB), Paes visitou o terreno ocupado até março pelo complexo penitenciário Frei Caneca, no centro do Rio. Ali serão construídas 2.500 moradias, destinadas às famílias que estão em áreas de risco. Por enquanto, famílias desalojadas dos morros dos Prazeres e do Fogueteiro vão morar lá. Mas, segundo Paes, outras comunidades também poderão ocupar aquela área.

Enquanto as novas moradias não estiverem prontas, cada família desabrigada receberá R$ 400 mensais. “Nenhuma família em área de risco ficará sem atendimento do poder público. Aqui [no terreno do presídio Frei Caneca], o Estado faz a infraestrutura, o governo federal constrói e a prefeitura paga as prestações e seleciona os moradores”, afirmou Paes.
As chuvas que atingiram o Estado na semana passada deixaram 229 mortos e obrigaram mais de 40 mil pessoas a saírem de suas casas.

Sergipe
Chuvas também provocaram estragos em Sergipe. Mais de 2,6 mil tiveram que deixar suas casas, segundo informações do boletim da Defesa Civil estadual divulgado na tarde de ontem. Dez pessoas ficaram feridas devido aos deslizamentos de terra e desabamentos. Ninguém morreu.
No total, 56 casas foram destruídas e 1.275 danificadas. O número de municípios afetados chega a 14. Entre eles estão: Aracaju, Carmópolis, Socorro, São Cristóvão e Maruim. Somente na capital, foram registrados 121 pontos de alagamentos.

Felpuda


As conversas vêm acontecendo muito, mas muito reservadamente mesmo, e dão conta de que suplente poderá receber convocação, assumir a titularidade do cargo e por lá ficar por tempo indeterminado. Como é óbvio, tem gente jurando que nunca ouviu nem sequer falar sobre o assunto. O motivo não seria nada ligado a possíveis atos de irregularidades, mas sim por problemas de ordem pessoal.