Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 23 de fevereiro de 2019 - 18h15min

Prefeitura da Capital adia início de fiscalização da lei antifumo

28 AGO 10 - 04h:12
MICHELLE ROSSI

Novamente, a aplicação efetiva da lei antifumo, em Campo Grande, será adiada. A fiscalização estava prevista para começar no dia 1º de setembro. Entretanto, a data terá de ser transferida por conta de algumas “brechas no texto”, conforme o secretário Municipal de Saúde, Leandro Mazina. A lei proí-be que as pessoas fumem em estabelecimentos de uso coletivo, como restaurantes, bares, casas noturnas ou mesmo locais de trabalho e foi aprovada pela Câmara de Vereadores em dezembro de 2009, sancionada em março deste ano e teve resolução publicada em junho. Agora, não há previsão de quando a fiscalização deve começar.  
A brecha a que se refere o secretário está na compreensão do texto da lei em relação a locais abertos de uso coletivo, mesmo havendo trecho da legislação o qual cita que o tabaco está expressamente proibido em lugares onde há pelo menos uma parede, ou apenas telhado. “Mas há arquiteturas diferentes, cada caso teria de ser analisado. Então vamos discutir e talvez até publicar uma resolução que trate especificamente sobre isso para que não haja várias interpretações de uma mesma lei”, informa Mazina.

Reuniões
Representantes da Secretaria Municipal de Saúde e da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) estarão reunidos no próximo dia 31 para definir as estratégias de fiscalização. Outra reunião será realizada na próxima semana, em conjunto com a Procuradoria Jurídica do Município, para discutir a “brecha” da lei. “Vamos agir com cautela. A Associação dos Bares e Restaurantes disse que pode haver inclusive demissões por conta da aplicação da lei, alegando que o movimento pode cair”, ponderou o secretário de Saúde.
Em terminais de ônibus, por exemplo, existe proibição, pois o local é de uso coletivo com uma cobertura. Bares ou restaurantes seriam os pontos mais polêmicos para a fiscalização e a proibição do tabaco em áreas abertas pode ser questionada, de acordo com o secretário. A lei antifumo de Campo Grande também estabelece a extinção dos fumódromos, ou áreas separadas dentro de estabelecimentos de uso coletivo onde é possível fumar.
Em cidades como São Paulo onde a lei antifumo é aplicada com rigor, não há permissão para fumar dentro de locais como boates, bares e restaurantes.
Multas
Uma campanha de conscientização contra o tabaco foi realizada durante o mês de agosto em Campo Grande, quando foram feitas cerca de 18 visitas a bares e restaurantes. A multa para o proprietário do estabelecimento onde a lei for desrespeitada pode chegar a R$ 600. Os estabelecimentos podem ter o alvará de funcionamento suspenso e cassado, se houver reincidência. O cliente que se recusar a apagar o cigarro pode ser retirado do local com uso de força policial.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Governo informa que dois caminhões com ajuda entraram na Venezuela

BRASIL

Bolsonaro resgata medidas rígidas que foram propostas pelo PT

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação
ESTADUAL 2019

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação

VENEZUELA

'Dia D' de missão humanitária na Venezuela tem confrontos com militares

Mais Lidas