Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Prefeitos mobilizam-se pelo aumento de recursos para saúde e divisão de verbas do pré-sal

9 MAR 10 - 08h:15
Prefeitos sul-mato-grossenses participam amanhã, em Brasília, da mobilização nacional pela aprovação da Emenda Constitucional 29 – que aumenta os recursos para saúde – e pela divisão igualitária dos royalties do pré-sal entre todos os estados e municípios do País. Os administradores municipais vão defender a aprovação de emenda de autoria dos deputados federais Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) e Humberto Souto (PPS-MG), que garante a partilha dos recursos do présal igualitariamente. Os representantes do Rio de Janeiro, de São Paulo e do Espírito Santo defendem que esses estados fiquem com a maior parte da receita a ser gerada, porque o petróleo está próximo de seus territórios. No entanto, os demais estados querem ter a participação na receita por entender que o petróleo está em alto-mar, portanto pertence a toda a União. Hoje, há prefeituras do Rio de Janeiro, de São Paulo e do Espírito Santo que têm grande receita e são dependentes dos royalties do petróleo. Outro assunto na pauta dos prefeitos é a Emenda Constitucional 29, que assegura mais dinheiro para o setor da saúde. O presidente da Assomasul (Associação dos Mu n icípios de Mato Grosso do Sul), Beto Pereira (PSDB) – que lidera o grupo de prefeitos que vai a Brasília nesta quarta-feira – disse ser injusto que somente os municípios cumpram seus compromissos na área de saúde. Ele refere-se ao fato de as prefeituras serem obrigadas a repassar 15% do seu orçamento para a saúde, cabendo aos estados 12%, enquanto “a União não faz a sua parte”. Os prefeitos querem a definição de novos percentuais a serem compartilhados entre as três esferas administrativas, de modo que o governo federal arque com 10% das despesas com a saúde pública brasileira, o que será garantido com a Emenda 29. De acordo com o diretorexecutivo da Assomasul, Sebastião Nunes da Silva, cerca de 20 administradores municipais devem integrar a caravana que seguirá a Brasília esta semana. O movimento, organizado pela CNM (Confederação Nacional de Municípios), também vai cobrar da bancada federal um posicionamento em relação às implicações das matérias que aumentam despesas e criam mais obrigações para os municípios, como o piso salarial dos agentes comunitários de saúde.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PRÓXIMO AO CLUBE DA AMIZADE

Fiat Uno é roubado na VilaTaveirópolis

Além do carro, o celular e documentos da vítima foram levados
Motoqueiro avança preferencial e morre ao bater na lateral de ônibus
JARDIM LEBLON

Motoqueiro morre ao
bater na lateral de ônibus

SUMIU

Mulher desaparece ao visitar amigo no bairro Nova Lima

Vítima estava em um veículo Palio e não retornou para casa desde a noite de ontem
Mega-Sena acumula e vai pagar <br>R$ 31 milhões no próximo sorteio
NÃO FOI DESSA VEZ!

Acumulada, Mega-Sena vai pagar R$ 31 milhões na quarta

Mais Lidas