Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ASSOMASUL

Prefeitos e bancada federal discutem na segunda-feira as emendas individuais

Prefeitos e bancada federal discutem na segunda-feira as emendas individuais
07/03/2014 18:30 - DA REDAÇÃO


Os prefeitos vão se reunir na próxima segunda-feira (10), no plenário da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, com integrantes da bancada federal para discutir, entre outros temas, assuntos relacionados a emendas individuais ao orçamento.

Marcada para às 9h, a reunião foi convocada pelo presidente da entidade, prefeito de Anastácio, Douglas Figueiredo (PSDB).

Além dos parlamentares, participarão da reunião representantes da Sudeco (Superintendência do Desenvolvimento do Centro Oeste).

O principal assunto da pauta do encontro é a discussão da Portaria Interministerial nº 40, que dispõe sobre procedimentos e cronograma para operacionalização das emendas individuais ao orçamento no SICONV (Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse).

Ainda segundo a pauta, serão debatidas também as cláusulas suspensivas dos contratos de repasse 2012.

Esse assunto, segundo Douglas Figueiredo, é de grande interesse dos gestores públicos que buscam o cumprimento da lei no desenvolvimento de seus municípios.

Segundo ele, hoje as prefeituras têm uma boa relação institucional com os integrantes da bancada federal independente de ideologia partidária.

O dirigente disse que os municípios vivem sobrecarregados e com seus orçamentos no limite, por isso precisam do apoio da bancada federal visando à aprovação de matérias de interesse, sobretudo de convênios para ampliar o poder de investimento nos setores prioritários da administração pública.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?