Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

BATALHA JUDICIAL

Prefeito virou ano em pé de guerra com Legislativo

2 JAN 14 - 00h:00DA REDAÇÃO

Campo Grande virou o ano com o prefeito Alcides Bernal (PP) continuando em pé de guerra com a Câmara Municipal para não perder o mandato. Ele conseguiu comprar com cargos o apoio dos vereadores Paulo Pedra (PDT), Jamal Salém (PR) e Edson Shimabukuro (PTB). Bernal garantiu ainda a cooptação do vereador Paulo Siufi (PMDB), de acordo com reportagem do jornal Correio do Estado publicada hoje (2). Mesmo assim, vem procurando desqualificar o Poder Legislativo. A instabilidade política prejudicou o desenvolvimento da cidade desde o início de 2013 quando Bernal preferiu o confronto com a oposição em vez de buscar o diálogo. Ele imaginava que poderia governar sem o Legislativo. E para complicar ainda mais, o prefeito chutou os seus aliados do segundo turno das eleições de 2012.

O PSDB sentiu-se ofendido com o descaso de Bernal depois de o deputado federal Reinaldo Azambuja, terceiro mais votado para a Prefeitura de Campo Grande, ter rompido antiga aliança com o PMDB para apoiá-lo. Não foi por falta de esforço do principal líder tucano de tentar ajudar o prefeito. Como Bernal não quis, ficou sem apoio oficial do partido mesmo com dois tucanos no primeiro escalão. O secretário municipal de Educação, José Chadid, foi expulso do partido porque se recusou a pedir demissão. Ele preferiu a sua fidelidade ao amigo Bernal a ao partido, enquanto Leila Machado, da Fundação Municipal do Esporte escapou de punição porque pediu desfiliação temporária do partido.

Azambuja chegou a advertir Bernal de que ele poderia ganhar eleição sozinho, sem depender de apoio de aliados, mas não conseguiria governar sem o Legislativo. O prefeito não acreditou que isto poderia acontecer. Agora tenta, a qualquer custo, reaproximação com o PSDB. O PT é hoje o partido mais próximo de Bernal por interesses políticos e eleitorais. 
O prefeito está ainda enfrentando processo por improbidade administrativa na Justiça. Os promotores de Justiça pediram liminarmente o afastamento imediato do prefeito em duas ações. O juiz do caso ainda não julgou o pedido. Com isto ainda há o risco de Bernal deixar o cargo por decisão judicial. A matéria é de Adilson Trindade.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Internacional

Papa aceita renúncia de cardeal chileno acusado de envolvimento em escândalo sexual

Ezzati foi acusado de supostamente encobrir casos de abuso
Mandetta não garante recursos federais <br>para combater epidemia na Capital
AGENDA EM CAMPO GRANDE

Mandetta não garante recursos federais para combater epidemia na Capital

Tragédia

Chega a 417 número de mortes em Moçambique após ciclone

POLÍTICA

Maia diz que vai se empenhar em favor da reforma da Previdência

Presidente da Câmara sugere que deputados sejam ouvidos pelo Planalto

Mais Lidas