Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

JÚLIO DE CASTILHOS

Prefeito vai iniciar discussão do projeto de R$ 18 milhões em obras

23 ABR 2011Por DANIELLA ARRUDA00h:02

A Prefeitura de Campo Grande inicia, a partir do próximo mês, série de reuniões com comerciantes da Avenida Júlio de Castilhos, com o objetivo de apresentar o projeto de revitalização da via pública e como será o esquema de interdição para as obras. O prefeito Nelsinho Trad (PMDB) aguarda que a empreiteira vencedora da licitação apresente plano de ação para a execução dos serviços, para então definir o cronograma de reuniões. "Dentro de 20 a 30 dias começaremos as reuniões com os comerciantes", prevê.

A intenção da prefeitura é executar os serviços na Avenida Júlio de Castilhos quadra por quadra, ao longo dos 6,5 quilômetros que passarão pela intervenção — entre a rotatória com a Orla Morena e Avenida Marechal Rondon até a Avenida Capibaribe, região do Bairro Silvia Regina — providenciando as alternativas de trânsito específicas para cada trecho.

Orçado em R$ 18 milhões, o projeto de revitalização da via prevê recapeamento, implantação de sistema de drenagem, recomposição paisagística e rebaixamento de guias do canteiro central da via pública (existente a partir da rotatória com a Orla Morena até o cruzamento com a Avenida Presidente Vargas), retirada de rotatórias e trevos, com sua substituição por semáforos. Com o reordenamento viário, conversões à esquerda serão proibidas, assim como o estacionamento ao longo da via, a exemplo do que foi feito na Avenida Eduardo Elias Zahran, oito anos atrás. Esta última intervenção envolverá amplo trabalho de regularização de calçadas e do alinhamento predial do trecho da Júlio de Castilhos a ser recuperado.

Segundo Nelsinho, a previsão é que as obras tenham duração de até um ano e meio. Os recursos para revitalização da Avenida Júlio de Castilhos são do Programa Pró-Transporte, que prevê investimentos de R$ 58 milhões na instalação de semáforos, construção de abrigos de pontos de ônibus, pontes, passarelas e ciclovias.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também