Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRISE POLÍTICA

Prefeito está sitiado na prefeitura com processos do MP e Câmara Municipal

Prefeito está sitiado na prefeitura com processos do MP e Câmara Municipal
12/01/2014 00:00 - da redação


O cerco se fechou em torno do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), deixando-o sitiado, na batalha judicial do Ministério Público Estadual (MPE) de afastá-lo imediatamente do cargo para responder processo por improbidade administrativa e da expectativa da Câmara Municipal de retomar o julgamento para cassar o seu mandato pelas infrações político-administrativa.

O jornal Correio do Estado deste domingo informa que os vereadores estão dependendo da revogação da liminar concedida pelo presidente em exercício do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, desembargador João Batista da Costa Marques, durante o recesso forense, para prosseguir com o julgamento em plenário.

O caso está nas mãos do desembargador Hildebrando Coelho Neto. Ele poderá cassar a liminar para sustentar a sua decisão anterior de garantir ao Legislativo o direito de julgar o prefeito ou mudar a posição para seguir o entendimento de João Batista.

Nesta guerra para se segurar no cargo, Bernal enfrenta ações de promotores de Justiça e a maioria dos vereadores da Câmara Municipal. Todos querem seu afastamento. O Legislativo luta para cassá-lo do cargo e dar posse ao vice-prefeito Gilmar Olarte (PP) com objetivo de restabelecer a estabilidade política em Campo Grande. A matéria é assinada por Adilson Trindade.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?