Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

quinta, 21 de fevereiro de 2019 - 12h57min

Prefeito cobra policiamento em postos de saúde

24 JAN 10 - 06h:51
O prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho, cobra policiamento nos postos de saúde da cidade para que não voltem a se repetir casos de violência, como o registrado na última quinta-feira na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila Almeida. Amanhã, ele reúne-se com o secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Jacini, e representantes da área da saúde para discutir estratégias com o objetivo de garantir tranquilidade aos profissionais. “Preciso garantir segurança aos funcionários que trabalham lá. Da forma como está não pode continuar. Os médicos, atendentes e outros profissionais que trabalham nos postos precisam de tranquilidade para trabalhar”, afirmou Trad Filho. Ele disse que ainda será estudada uma parceria com policiais nas unidades. Uma das possibilidades é disponibilizar ao menos um policial para atender em cada unidade. O coronel Carlos Alberto David dos Santos, comandante da Polícia Militar, disse que depois da reunião – quando serão expostos os problemas registrados nas unidades – terá condições de traçar uma estratégia e ver o que pode ser feito. “Ainda não temos como adiantar nada, pois só conheço os problemas pelo jornal”, diz. A reunião de amanhã acontecerá no posto de saúde da Vila Almeida e deverá contar ainda com a presença do secretário municipal de Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e de Administração, Jorge Martins. Deficiência O tumulto na unidade da Vila Almeida aconteceu por volta das 22 horas de quintafeira, quando cerca de 20 homens invadiram o local revoltados com a demora no atendimento. Os quatro médicos que estavam de plantão tiveram de ficar trancados em uma sala. Havia apenas uma guarda municipal no momento da invasão e houve dificuldade para conter as pessoas. Funcionários relataram que ligaram duas vezes para a Polícia Militar, mas nenhuma viatura foi enviada ao local. O coronel David disse desconhecer o fato e que tudo será apurado amanhã. Apesar do tumulto, não houve agressões. A informação é de que 250 pessoas foram atendidas na UPA e que a demanda de pacientes teve aumento por conta dos casos suspeitos de dengue. Também no dia 9 deste mês, uma médica foi agredida verbal e fisicamente por uma paciente no posto de saúde da Coophavila II. Uma moradora do Assentamento Eldorado procurou o posto com fortes dores de cabeça e ficou revoltada por ficar três horas esperando. Ela foi alvo de inquérito policial. No caso de quinta-feira, ainda não há informações sobre alguma investigação da Polícia Civil em andamento.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputados avaliam alternativas para reduzir impacto da Cota Zero
MEIO AMBIENTE

Deputados avaliam alternativas sobre impacto da Cota Zero

Campo Grande deve voltar a fazer parte das grandes competições vôlei
VIVAVÔLEI

Capital deve voltar a fazer parte das competições vôlei

Damares diz que vai rever  atuação de ONGs na Funai
AUDIÊNCIA PÚBLICA

Damares diz que vai rever
atuação de ONGs na Funai

Prefeito considera redução da atuação da guarda como retrocesso
DECISÃO JUDICIAL

Redução da atuação da guarda é retrocesso, diz Prefeito

Mais Lidas