COXIM

Prefeita deve decretar estado de emergência amanhã

Prefeita deve decretar estado de emergência amanhã
06/03/2011 18:28 - DA REDAÇÃO


A prefeita Dinalva Mourão (PMDB) deve decretar amanhã (07) situação de emergência no município de Coxim. A prefeita está preocupada com a situação, tendo em vista o episódio que aconteceu em 2009, quando o nível do rio subiu mais de 5 metros e deixou mais de mil famílias desabrigadas. Hoje pela manhã, o rio já atingia 5,63 metros, considerando que normalmente é de 3,2 metros. Com o aumento do nível, sobe também a preocupação da população que vive próxima ao rio. Segundo o coordenador da Defesa Civil, José Aluízio Muller, a maior preocupação é com a chuva que cai nas cabeceiras dos rios Taquari/Coxim. As chuvas que ocorreram nas regiões vizinhas, principalmente em São Gabriel, Alcinópolis, Camapuã e Pedro Gomes, também colaboram para que o nível do rio aumente. A prefeitura municipal juntamente com o exército e o corpo de bombeiros, já fizeram a remoção de algumas famílias que estavam em áreas de risco. Os moradores estão sendo alojados em igrejas e ginásios de esporte. Além da região ribeirinha, a chuva tem castigado grande parte da cidade, causando alagamentos e formação de crateras e buracos. Na avenida Presidente Vargas, alguns trechos estão quase intransitáveis. De acordo com a previsão do Clima Tempo, deve continuar chovendo nesta semana.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".