Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

USINAS

Preço do etanol só deve cair em maio nos postos

31 MAR 2011Por agência brasil16h:05

O início da safra de cana-de-açúcar deve contribuir para a queda do preço do etanol nos postos de combustível do país. Segundo usineiros e distribuidores, só a partir de maio, porém, o preço do combustível deve voltar a ser competitivo ante a gasolina.

A redução dos preços deve ocorrer apesar da queda da produção do combustível prevista para a próxima safra. Segundo projeções divulgadas hoje (31) pela União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), o Centro-Sul deve produzir 4,11% menos etanol hidratado nesta safra.

Mesmo assim, serão postos no mercado 17,2 bilhões de litros do combustível. “O etanol vai ser produzido e vai precisar ser vendido. O preço na bomba vai ter que cair para que o consumidor volte a usar o etanol”, explicou o diretor técnico da Unica, Antonio de Pádua Rodrigues.

O presidente da Unica, Marcos Jank, ratificou as previsões de Padua e disse que a queda dos preços deve ocorrer em cerca de 45 dias. “O etanol vai ter que voltar a ser competitivo”, afirmou Jank. “Ele deve voltar a custar menos que 70% da gasolina quando a oferta no mercado for suficiente. Isso deve acontecer em maio.”

O vice-presidente executivo do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindicom), Alísio Vaz, também prevê etanol mais barato nos postos a partir de maio. Ele disse, porém, que o preço do combustível deve manter-se competitivo por um período mais curto do ano, devido a redução da oferta do produto.

Essa redução preocupa a Unica. Segundo a entidade, que representa as usinas responsáveis por 60% do etanol destilado no país, a produção do combustível compensa cada vez menos para as usinas. Isso porque o álcool compete diretamente com a gasolina, a qual tem seu preço mantido artificialmente baixo pelo governo federal, segundo os usineiros.

Jank disse que, devido a essa situação, as usinas estão investindo mais na produção de açúcar e reduzindo a de álcool. Previsões da Unica apontam, inclusive, o uso cada vez menor do etanol por carros bicombustível, devido a queda na oferta do combustível prevista até 2020.

Para inverter essa tendência, Jank disse que a Unica está negociando com o governo um plano de expansão da cultura da cana no país. Segundo ele, incentivos tributários, linhas de financiamento e outras medidas poderiam estimular os investimentos no setor, que praticamente cessaram após a crise financeira global de 2008. “Estamos conversando sobre um grande plano para isso [redução do uso do etanol] não acontecer”, afirmou Jank.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também