Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Preço do cimento cai e deixa construção mais barata em agosto

27 AGO 10 - 18h:33
ADRIANA MOLINA

O Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado (INCC-M), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), registrou alta 0,22% em agosto. O percentual representa desaceleração no ritmo de aumento dos preços de materiais e mão de obra, que em julho, tiveram acréscimo de 0,62%. Em Mato Grosso do Sul, o cimento foi o responsável por deixar as obras mais baratas no mês, com redução nos preços de 12%, em média.
Segundo o presidente do Sindicato do Comércio de Materiais de Construção (Sindconstru), Fábio Bigolin, o cimento foi nos últimos dois meses o maior vilão entre os materiais de construção no Estado. “Era o único item que estava em alta por conta de um problema de oferta em um dos nossos maiores fornecedores. Mas nas últimas semanas, a oferta começou a ser regularizada e os preços entraram em queda. A previsão é de que logo voltem os antigos patamares”, explica.
Até junho, o valor médio do saco de cimento em Campo Grande era de R$ 19. Em julho, em apenas 20 dias o material disparou, atingindo o pico de R$ 25, em média, nas lojas especializadas. “Hoje está em torno de R$ 22, com tendência de queda”, afirma Vinícius César dos Santos, gerente de uma empresa de materiais de construção da Capital.

Índice
De janeiro a agosto, o INCC-M ficou em 6,18% e, nos últimos 12 meses, 6,80%. Materiais, equipamentos e serviços subiram 0,38%, porém a variação é 0,10 ponto percentual inferior à do mês passado. No acumulado do ano, o aumento é de  4,51% e, nos últimos 12 meses, 5,18%.
A mão de obra ainda é o que mais pesa no orçamento da construção no acumulado do ano. No entanto, a contratação de pedreiros e outros profissionais do setor teve um decréscimo expressivo entre julho e agosto, passando de 0,77% para 0,06%. Desde janeiro, a taxa acumula alta de 8,02% e, nos últimos 12 meses, 8,57%.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Índice de Confiança do Empresário Industrial fica estável pelo 3º mês

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês

BRASIL

Governo libera orçamento de universidades federais

BRASIL

Bolsonaro sanciona lei com crédito suplementar para ministérios

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião