Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 14 de novembro de 2018

Preço do álcool volta a subir

6 AGO 2010Por 22h:00
     

O preço do álcool registrou alta de 1,52% em julho, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Foi a primeira alta do combustível depois de quatro meses de queda.

O item faz parte do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mensura a inflação oficial e ficou estável pelo segundo mês seguido, influenciado pela deflação de 0,76% dos alimentos.

Inflação oficial fica estável pelo segundo mês seguido

Inflação para a baixa renda perde ritmo e é a menor desde 2008, diz FGV

Cesta básica fica mais barata em 16 de 17 capitais em julho, diz Dieese

Segundo Eulina dos Santos, coordenadora de Índice de Preços do IBGE, o aumento do álcool está ligado à expansão da demanda pelo combustível, impulsionada pela venda de carros recorde para meses de julho e no acumulado deste ano.

O preço do álcool tende a influenciar o da gasolina, cuja fórmula tem adição do combustível de cana-de-açúcar. No mês passado, a inflação para a gasolina teve ligeira aceleração: o produto, que havia registrado queda de 0,76% em junho, teve retração de 0,13% em julho.

Santos afirma que ainda não está claro qual será o comportamento de preços dos combustíveis nos próximos meses. A especialista diz que a inflação desses produtos dependerá das expectativas em relação à safra de cana e à política de liberação de estoques dos produtores.

META

Nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 4,6%, quase no centro da meta (4,5%) determinada pelo governo federal. No ano, o índice registra elevação de 3,1%

A previsão do mercado é que a inflação oficial termine 2010 na casa dos 5%.

Foi justamente pressionado pela divulgação de indicadores como a inflação estável, que apontam a desaceleração da economia brasileira, que o Banco Central decidiu na última reunião reduzir o ritmo de aumento da taxa básica de juros, elevando a Selic de 10,25% para 10,75% ao ano.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também