Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

quinta, 21 de fevereiro de 2019 - 13h00min

Preço do álcool subiu 5,7% em 20 dias

5 FEV 10 - 01h:37VERA HALFEN
Em 20 dias, o preço do álcool hidratado combustível subiu 5,7% nas bombas, para o consumidor, passando do preço médio de R$ 1,94 para R$ 2,05, entre os dias 15 de janeiro e 4 de fevereiro. Pesquisa feita ontem pela reportagem do Correio do Estado aponta que o menor valor encontrado nos 42 postos pesquisados na região central e bairros foi de R$ 1,94 e o maior, R$ 2,249. A variação chega a 15,9% ou R$ 0,309 em cada litro do combustível. Essa diferença pode garantir economia de R$ 15,45 ao consumidor que optar por abastecer o tanque de 50 litros com o menor preço. Desde meados de junho de 2009, o custo do álcool disparou nas usinas por conta das chuvas intensas nos canaviais, reduzindo a oferta desse combustível. De acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/SP), em junho, a cotação média do litro de álcool nas usinas era de R$ 0,6066 (sem impostos). No mesmo período, as distribuidoras vendiam o álcool aos postos a R$ 1,296 e estes aos consumidores a R$ 1,59, segundo dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Em janeiro, a média do álcool passou para R$ 1,18, registrando aumento de 96% no período de junho a janeiro. Já a ANP aponta que as distribuidoras venderam o produto aos postos com preço médio de R$ 1,798, ou seja, reajuste de 38,7%. Os estabelecimentos repassaram, no mesmo período, acréscimo de 27,1%, com valor médio de R$ 2,021 para o consumidor, no mês de janeiro. Sem perspectivas De acordo com o diretor de Comunicação do Sinpetro, Antônio Carlos Paludo, por enquanto, o setor não vê perspectivas de queda no custo do álcool nos próximos meses. “Não sabemos para onde vai. A demanda é grande e a oferta está pequena”, diz. “Vamos ter de aguardar a próxima safra, que começa em março/abril, só aí teremos algum sinal de redução de preços”, avalia. Paludo frisa que a disparada dos valores do álcool já derrubou em cerca de 30% as vendas de combustível nos postos de Campo Grande. A comercialização de gasolina, por sua vez, aumentou entre 5% e 7%. Segundo o diretor, quando as aulas recomeçarem, as vendas devem se normalizar e aí os índices serão mais reais. Gasolina e diesel A pesquisa feita ontem pela equipe do Correio do Estado, também levantou os preços da gasolina e do óleo diesel. O valor médio da gasolina é o mesmo verificado na última pesquisa: R$ 2,60. O menor preço encontrado foi de R$ 2,47 e o maior, R$ 2,749. O preço médio do diesel é de R$ 2,14, com o menor preço de R$ 2,09 e o maior, R$ 2,199.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputados avaliam alternativas para reduzir impacto da Cota Zero
MEIO AMBIENTE

Deputados avaliam alternativas sobre impacto da Cota Zero

Campo Grande deve voltar a fazer parte das grandes competições vôlei
VIVAVÔLEI

Capital deve voltar a fazer parte das competições vôlei

Damares diz que vai rever  atuação de ONGs na Funai
AUDIÊNCIA PÚBLICA

Damares diz que vai rever
atuação de ONGs na Funai

Prefeito considera redução da atuação da guarda como retrocesso
DECISÃO JUDICIAL

Redução da atuação da guarda é retrocesso, diz Prefeito

Mais Lidas