CEASA-MS

Preço de frutas da época recua em até 60%

Preço de frutas da época recua em até 60%
08/07/2010 08:12 -


ADRIANA MOLINA

O clima mais ameno e a trégua das chuvas começaram a refletir nos preços das frutas em Campo Grande, que já revelam quedas de até 60%. A melancia é uma delas. Segundo dados da divisão de estatística e mercado da Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul (Ceasa-MS), o quilo da fruta no atacado teve seu preço reduzido de R$ 1 em fevereiro (época de chuvas frequentes e intensas) para atuais R$ 0,40, em média.
O morango, que está em plena safra, saltou de R$ 18 a caixa com quatro pacotes para R$ 10 − decréscimo de 44,5%. Outra que também teve sua cotação reduzida foi a goiaba, que custava R$ 20 a caixa com 15 quilos e foi para R$ 17. E entre maio e junho, a laranja ficou 14% mais barata, chegando a R$ 36 a saca com 25 quilos.
“Estamos num período de melhor qualidade e durabilidade dos hortifrútis em geral, porque parou de chover e a maioria dos produtores trabalham com irrigação, o que dá maior controle à produção. E ainda é época de safra de diversas variedades. Esses fatores, somados, podem representar queda de mais até 40% nos preços nas próximas semanas, dependendo da fruta”, explica Cristiano Chaves, gerente da divisão de estatística e mercado da Ceasa-MS.
Nas gôndolas dos supermercados os consumidores já podem sentir os reflexos das quedas no atacado. Em um mercado especializado em hortifrútis de Campo Grande, a gerência informou que os preços do morango, por exemplo, baixaram 30% nos últimos dias, custando hoje cerca de R$ 3,50 a caixa. Outra fruta que caiu no mesmo patamar foi a maçã, cujo quilo vale atuais R$ 3, em média. A melancia está na casa dos R$ 0,80 o quilo e a uva, cerca de R$ 5 o quilo, médias cerca de 30% menores que há alguns dias.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".