Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

terça, 19 de fevereiro de 2019 - 22h13min

Preço da soja cai, mas produtividade maior evitará perdas

24 FEV 10 - 06h:43
A superprodução de soja deve compensar as perdas dos produtores de Mato Grosso do Sul, que viram os preços do grão cair 26% em um ano, ficando abaixo dos R$ 30 por saca. Aproximadamente um quarto da safra 2009/10 foi colhida no Estado. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o resultado deve ser 18% superior ao da safra passada, totalizando 4,9 milhões de toneladas nos armazéns do Estado. “Teremos mais soja no mercado, e isso vai compensar os preços baixos”, espera o presidente da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja), Almir Dalpasquale. Em Maracaju, líder estadual na produção da oleaginosa, 60% dos grãos ainda estão no pé. “A produção vai ser um fator compensador. Quem não teve custo alto para produzir vai ter lucro”, avalia o presidente do sindicato rural da cidade, Luciano Muzzi Mendes. A mesma produção que deve lotar os galpões – se o clima favorecer com chuvas dentro do esperado – será responsável pela queda nos preços negociados na bolsa de valores de Chicago (EUA). O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos prevê oferta de 255 milhões de toneladas de soja no mundo, 21% a mais do que na temporada passada. A colheita norteamericana deve ultrapassar os 90 milhões de toneladas, seguida da brasileira (66 milhões de toneladas), argentina (53 milhões de toneladas) e chinesa (14,5 milhões de toneladas). As informações são da Scot Consultoria, de São Paulo. O mercado assistiu ao aumento na produção e seguiu as regras do jogo: quanto maior a oferta disponível, menor o preço. No último dia 19, a saca de 60 quilos de soja foi negociada a R$ 35,70 – valor próximo da cotação de agosto de 2007, de acordo com o Centro de Estudos Avançados de Economia Aplicada. Se comparada com fevereiro de 2009, quando a saca custava R$ 45,12, a retração é de 26%. “A gente não acreditava que essas estimativas [de superprodução] se concretizariam. Sempre se falava em crescimento na produção, mas problemas climáticos, por exemplo, impediam isso. Agora é diferente”, conta Mendes, de Maracaju. Por lá, a colheita passará dos 7,5 milhões de sacas registradas na safra passada para 9,9 milhões de sacas neste ano. A produtividade saltou de 42 sacas por hectare para 55 sacas por hectare. A colheita deve terminar no fim de março. Desta vez, os produtores vão sentir menos os impactos da desvalorização do real frente ao dólar. “Quando começamos a plantar, o dólar já estava baixo, neste patamar, não vai ter diferença agora, na hora de vender”, conclui Mendes. Segundo ele, a maioria dos sojicultores locais não optou pelo mercado futuro – venda antecipada de mercadorias na bolsa de valores – e terão de satisfazer-se com os preços atuais.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CRISE NO GOVERNO

Contra crise, Bolsonaro pede que equipe trate Bebianno como 'página virada'

FUTEBOL 2019

Elenco do Fluminense faz greve e não treina em protesto por falta de salários

BRASIL

Pacote anticrime não atrapalha andamento da reforma da Previdência, diz Moro

CRISE NO GOVERNO

Exonerado, Bebianno retira foto com Bolsonaro em rede social

Mais Lidas