Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SUCESSÃO ESTADUAL

Pré-candidatura de Murilo é 'coerente'

Pré-candidatura de Murilo é 'coerente'
03/03/2014 00:00 - TAVANE FERRARESI E ROBERTA CÁCERES


Lideranças políticas de Mato Grosso do Sul avaliaram como coerente a virtual candidatura ao governo do Estado pelo prefeito de Dourados, Murilo Zauith (PSB). Como o presidente do seu partido e governador de Pernambuco, Eduardo Campos é pré-candidato à Presidência da República, há interesse da legenda em ter palanque no Estado. Na semana passada, o pessebista esteve reunido com o governador André Puccinelli (PMDB), onde informou a possível postulância à sucessão estadual.

Sobre o encontro, o chefe do Executivo disse ter considerado o eventual projeto do prefeito de Dourados como “de bom valor”. “Ele (Murilo) me disse que está pensando em ser candidato. Eu disse que é um bom valor. Eu disse a ele que é uma boa pessoa e capacitado”, revelou André, durante entrega do Plano Estadual de Habitação. “Se eu dizia que ele era um bom vice, não posso dizer que não é um bom candidato”, complementou.

Do PT, o pré-candidato à sucessão estadual, senador Delcídio do Amaral (PT), avaliou como “natural”, a pretensão de Zauith em disputar a vaga de governador. “O Eduardo precisa ter palanque aqui. Então acho razoável Murilo ocupar esse espaço”, disse o petista. Indagado se existe preocupação que a pulverização de candidaturas possa levar a eleição ao segundo turno, Delcídio assegurou que não. “Pode ter um enxame de candidatos, não tem problema nenhum. Tenho confiança no meu plano de governo. Vou pra frente”, disparou.

Apesar de entender a necessidade do PSB em lançar candidato no Estado para viabilizar a eleição de Campos, o ex-senador e presidente estadual do PSD, Antonio João Hugo Rodrigues, analisou como “grande erro”, a possível entrada de Zauith na disputa estadual.

“Acho que ele (Murilo) cometeria um erro muito grande saindo como candidato. Até porque ele lançou recentemente um projeto grande de obras e isso pode ajudá-lo futuramente”, analisou. 

Além disso, Antonio João comentou que um eventual fracasso nas urnas poderia destruir a carreira política do pessebista. Por isso, para o ex-senador, o melhor para o prefeito de Dourados seria lançar outro nome como candidato ao governo. “Eu penso que ele vai acabar lançando um candidato para atender a nacional do PSB e dar palanque a Eduardo”, destacou.

Até agora, além de Delcídio, já se apresentaram como postulantes ao cargo de governador, o ex-prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB) e o professor Sidney Melo (Psol). Do PSDB, o deputado federal Reinaldo Azambuja ainda não definiu se disputará o cargo de governador ou senador. Mas se o tucano e Zauith decidirem entrar na corrida eleitoral, a briga pela cadeira de Puccinelli poderá ser de cinco pleiteantes. (Colaborou Jéssica Benitez).

Felpuda


As várias e várias mensagens que vêm sendo trocadas em grupos fechados, e para poucos, são de que algumas alianças poderão acontecer, mas mediante a troca de comando em alguns órgãos importantes. Seriam entendimentos para atender siglas de matizes bem diversos que vêm tentando criar dificuldades para vender facilidades. Se as negociações forem concretizadas, tornarão os caminhos sem muitas barreiras. A conferir.