Quinta, 18 de Janeiro de 2018

PPS e PSDB articulam fusão para aumentar influência no Congresso

14 NOV 2008Por 22h:56
     

Brasília

 

A disputa pela presidência da Câmara começa a promover uma reengenharia partidária. Insatisfeito com o PT e com o PMDB, o chamado bloquinho, que reúne as bancadas do PSB, do PDT e do PC do B, ameaça lançar candidato à sucessão do presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP). Ao mesmo tempo, setores do PPS e PSDB articulam uma fusão dos dois partidos, fato que aumentaria o cacifes dos tucanos e resgataria o PPS da extinção.

 

Com uma bancada de 76 deputados, o apoio do bloquinho, que faz parte da base aliada do Planalto, é cobiçado pelos candidatos à presidência Michel Temer (PMDB-SP) e Ciro Nogueira (PP-PI), mas, ao mesmo tempo, os três partidos articulam com outras legendas um nome alternativo para a disputa. Até o DEM está no radar das negociações do bloquinho.

 

O DEM que esteve, nos últimos anos, na posição privilegiada de aliado com o PSDB, não quer ver o PMDB na presidência da Câmara, de olho nas eleições de 2010. Daí a sua disposição de se aliar ao bloquinho para ter um candidato.

A avaliação do DEM é que o fortalecimento do PMDB reduziria o cacife do partido na aliança eleitoral para a presidência da República. Tanto o PSDB quanto o PT almejam o PMDB como vice na chapa presidencial, depois que o partido cresceu nas eleições municipais.

Leia Também