Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Poupança e FGTS, no limite para financiar casa própria

17 AGO 10 - 08h:56
VERA HALFEN

O crescimento acelerado dos financiamentos para a casa própria começa a preocupar alguns setores, que estimam não existirem recursos do FGTS e poupança para além de quatro anos. Com a escassez, a tendência é de o crédito para empréstimos ficar menor e mais caro. Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, nos últimos 12 meses, o número de contratos entre mutuário e a Caixa Econômica Federal dobrou. Hoje, o estoque de recursos disponíveis na poupança para esse tipo de crédito, em todo o País, é de R$ 269 bilhões.
A Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança) estima que esse saldo consiga absorver a demanda até 2012. Em 2013, a projeção é que os financiamentos exijam R$ 400 bilhões e mais R$ 100 bilhões quando chegarmos a 2014.
De todo o dinheiro aplicado no setor imobiliário, de acordo com a Ong, 92% têm como origem a poupança e o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). A primeira e principal financiadora responde por R$ 111,5 bilhões emprestados no primeiro semestre de 2010; a segunda acumula uma carteira de R$ 71 bilhões.  

Outros recursos
De acordo com o economista Normann Kalmus, é uma bobagem imaginar que os recursos para financiar a casa própria poderiam esgotar-se. Mesmo que tudo indicasse para isso, outras instituições financeiras têm de onde trazê-los para o setor. “Temos também uma demanda de capital – interno e externo – investido em fundos e títulos do Governo. Basta reduzir os juros sobre essas remunerações atraindo esses investidores para o mercado habitacional, que também é seguro. As fontes privadas também tenderiam a contribuir mais”, afirma.
O economista frisa, ainda, que hoje a massa salarial existente é maior, aumentando a renda per capita e contribuindo para crescimento da poupança e FGTS. “O próprio investimento na construção das habitações faz com que tenha mais trabalhadores empregados e isso reforça a disponibilidade de recursos”.
A Ong FGTS Fácil aponta que a utilização de mais recursos do fundo do trabalhador seria uma das opções. Pela lei, o governo tem de direcionar até 60% de tudo o que é arrecadado com o FGTS para a área de habitação. Hoje, essa relação está em 41%.
Empréstimos
Kalmus afirma que a preocupação com a falta de recursos “não faz muito sentido”. Para ele, “se houver desequilíbrio entre financiamento e os saldos do FGTS, certamente o vilão não seria a habitação, mas a utilização desses recursos pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), de forma política, para financiar empresas públicas, como, por exemplo, a Petrobras. O risco é muito maior com os financiamentos feitos pelo banco ao exterior e não com a habitação aqui no País”, conclui.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Índice de Confiança do Empresário Industrial fica estável pelo 3º mês

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês

BRASIL

Governo libera orçamento de universidades federais

BRASIL

Bolsonaro sanciona lei com crédito suplementar para ministérios

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião