Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Posto de combustível não precisa trocar bomba

5 JUN 10 - 20h:55

VERA HALFEN, com agência

 

O gestor da Unidade de Fiscalização de Substituição Tributária da Secretaria de Fazenda, Victor Hugo Cabral Ortiz, disse que a implementação do PAF-ECF (Programa Aplicativo Fiscal e Emissor de Cupom Fiscal) não requer a instalação de bombas eletrônicas de combustíveis. O programa – que deve ser instalado até o dia 22 – não interfere no tipo de bomba instalada no posto revendedor.

O modelo eletrônico e a impressora térmica são equipamentos mais modernos, que estão sendo adquiridos pelos estabelecimentos mais novos, mas não são itens obrigatórios. "Respeitamos o investimento que o contribuinte fez com a aquisição da bomba mecânica e a impressora ECF matricial", afirma o gestor da Unidade de Controle de Automação Comercial (Unicac) da Sefaz, Edson Oshigame.

O PAF faz a interligação entre a bomba de combustível, o equipamento emissor fiscal, o tanque e o concentrador, gerenciador do fluxo de entrada e saída de líquido do tanque por meio de um sistema eletrônico. Com a implantação do programa, segundo os gestores, os proprietários terão maior rigor no controle da entrada e saída do combustível, o que evita fraude por parte dos funcionários. O aplicativo ECF para automação dos postos de combustíveis faz parte de um programa nacional e Mato Grosso do Sul foi o primeiro Estado brasileiro a implantá-lo.

Multa

O prazo inicial para adequação do setor era 1° de janeiro deste ano, mas para atender o sindicato da categoria, Sinpetro/MS, a data-limite foi alterada. Os postos que não instalarem o PAF-ECF até o dia 22 deste mês poderão, a partir de 1° de julho, serem multados em até mil Uferms, unidade fiscal do Estado, o que equivale a cerca de R$ 15 mil, e terão o status da inscrição estadual alterado de "ativa" para "provisória", o que impede o proprietário do estabelecimento de comprar combustível, de acordo com as normas da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

O cancelamento não será imediato para não prejudicar o contribuinte, explica Victor Hugo Cabral. "Se o Estado suspende a inscrição do contribuinte, este tem seu registro cancelado pela ANP" (Agência Nacional do Petróleo), o que leva até seis meses para ser regularizado.

 

Custo

A adequação do posto ao programa custa em média R$ 2 mil e demora no máximo 15 dias. Para os estabelecimentos que já têm bomba eletrônica, o processo é mais simples que para os que ainda utilizam a bomba mecânica, contudo, o gestor da Unidade de Fiscalização da Substituição Tributária da Sefaz enfatiza que não existe a obrigatoriedade de troca dos equipamentos. Cerca de 70% dos mais de 600 postos de combustíveis existentes em Mato Grosso do Sul já se adequaram ao programa.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PIB cresce 0,8% no trimestre <br> encerrado em novembro, aponta FGV
TAXAS

PIB cresce 0,8% no trimestre
encerrado em novembro, aponta FGV

PERSPECTIVA

Crescimento da economia em 2020 deve ficar em 2,5%, diz Guedes em Davos

Pentavalente mal chega aos postos <br> e já tem unidade sem a vacina
IMUNIZAÇÃO

Pentavalente mal chega aos postos e já tem unidade sem a vacina

Diretor da Unei "pede para sair" e unidade já está sob nova gestão
DOM BOSCO

Diretor da Unei "pede para sair" e unidade já está sob nova gestão

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião