INVESTIGAÇÃO

Porsche de Paul Walker estava acima de 160 km/h

Porsche de Paul Walker estava acima de 160 km/h
04/01/2014 02:00 - FOLHA PRESS


O Porsche Carrera GT no qual o ator Paul Walker, astro da franquia cinematográfica "Velozes e Furiosos", viajava em 30 de novembro estava indo a mais de 160 km/h, segundo o relatório definitivo do Escritório Legista de Los Angeles, divulgado ontem (02)..

Walker, 40, era passageiro do carro dirigido por seu amigo, Roger Rodas, 38. Os dois morreram num acidente em Santa Clarita, na Califórnia.

Segundo informações obtidas pela revista "The Hollywood Reporter", a investigação do Departamento do Xerife de Los Angeles concluiu que o carro estava viajando "numa velocidade pouco segura acima de 160 km/h", quando Rodas perdeu o controle "por razões desconhecidas". O Porsche girou parcialmente e atingiu o meio-fio, batendo numa árvore e num poste.

A batida fez com que o carro girasse outros 180 graus, levando o lado do passageiro a bater em outra árvore e explodir em chamas.

O acidente espalhou detritos por todas as quatro faixas da pista, assim como por um estacionamento próximo.

Não foram encontrados sinais de álcool ou drogas no corpo do motorista, Rodas, que morreu devido a "lesões traumáticas múltiplas". Já Walker foi vítimas de "lesões traumáticas e térmicas", e também não havia consumido álcool ou drogas.

Roger Rodas e Paul Walker haviam acabado de sair de um evento de caridade oferecido pela organização do ator, a Reach Out Worldwide, que estava levantando fundos para vítimas do tufão nas Filipinas.
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".