Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CÂMARA FEDERAL

Por 2 votos, Bolsonaro perde chance de presidir Direitos Humanos

Por 2 votos, Bolsonaro perde chance de presidir Direitos Humanos
26/02/2014 16:45 - FOLHA PRESS


A maioria dos deputados da Comissão de Direitos Humanos da Câmara escolheu hoje o deputado Assis do Couto (PT-PR) para a presidência do colegiado, impondo uma derrota à bancada evangélica que apoiava a candidatura avulsa do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ).

O petista recebeu 10 votos e Bolsonaro, considerado um dos parlamentares mais conservadores, teve 8. O novo presidente da Comissão de Direitos Humanos é ligado à agricultura familiar e considerado de perfil mais moderado. A orientação no PT era evitar que um parlamentar no comando transformasse a comissão em palco pessoal.

A eleição começou tumultuada com a discussão sobre a validade de Bolsonaro em participar da disputa. Tradicionalmente, os deputados confirmam na presidência o nome indicado pelo partido que ficou com a comissão na divisão feita pelos líderes dos partidos.

Bolsonaro, no entanto, apresentou uma declaração do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), baseado em parecer de consultores da Casa, indicando que não há impedimentos para candidatura própria nas comissões.

"Já posso antecipar a vossa excelência que não há nenhuma proibição regimental em relação a candidatura avulsa. Não há nenhuma limitação, nenhuma objeção que impeça, portanto, candidatura avulsa nas comissões", afirmou Alves.

Nas falas, os deputados Henrique Afonso (PV-AC) e Enio Bacci (PDT-RS) defenderam a participação de Bolsonaro, mas anunciaram que votariam contra ele. Henrique Afonso alegou que ele foi infeliz com declarações e tinha problemas com movimento negro. Bolsonaro reagiu:

"Eu não aceito cotas, mas isso não é racismo. Não fique me acusando de racista", disse. Desde quando a comissão foi criada, em 1995, o PT ocupou por 13 vezes a presidência. O PDT a exerceu por três vezes. PC do B e PPB, uma.

O Partido Social Cristão de Marco Feliciano só assumiu a comissão porque, no ano passado, o PT, que a presidia e tinha direito a escolher três comissões, deu prioridade para outras áreas: Seguridade Social e Família, Relações Exteriores e Comércio e Constituição e Justiça.
 

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?