Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

INVESTIGAÇÃO

Policial preso por estupro também pode ter atravancado processo

20 JAN 2011Por VIVIANNE NUNES09h:38

Preso há 15 dias na Capital, o escrivão de polícia civil Nicodemos Moura Rodovalho de Alencar, 47 anos, acusado de envolvimento sexual com menores de idade, também pode ter negligenciado as investigações de um adolescente de 17 anos que está apreendido há 50 dias em Ponta Porã, acusado de roubo, porte e disparo de arma de fogo e também de ter participado de uma ação criminosa contra a delegacia de Coronel Sapucaia, onde bombas de coquetel molotov foram arremessadas. A informação é do juiz da comarca de Amambai, Cesar de Souza Lima. Segundo ele, o policial que estava de plantão no momento do atentado ouviu um barulho e saiu da delegacia, por isso não foi atingido pela bomba que acertou em cheio a parede. Do lado de fora, próximo a viatura, outra bomba foi encontrada e de acordo com o magistrado seria, supostamente arremessada contra o veículo oficial. Ninguém se feriu.

O juiz informa que uma cópia do relatório que apresenta todas as informações sobre o caso será encaminhada à Corregedoria de Polícia Civil para saber se houve “dolo, má fé ou só preguiça”.

Cesar de Souza explicou à reportagem do Portal Correio do Estado que o investigador pode ter sido "relapso" por não dar continuidade ao processo de investigação e encaminhamento dos autos, que tinham um prazo de 45 dias para serem levados até o fórum, já que trata-se de um adolescente. “O prazo já expirou em 5 dias e pedimos uma resposta à delegada que enviou a justificativa”, afirmou.

A delegada Marina Lemos Monteiro Conceição, de Coronel Sapucaia, já enviou uma resposta ao magistrado explicando que o procedimento em questão não havia sido encaminhado devido à prisão de Nicodemos, que não teria dado atenção às devidas providências.

“Ele segurou documentos” contra uma investigação sobre envolvimento do jovem apreendido em uma gangue que atuava em Coronel Sapucaia, furtando motos paraguaias de brasileiros e levando os veículos para revender no Paraguai. De acordo com o juiz, os atos resultaram em prejuízos aos donos das motos já que é praticamente “impossível” recuperar os veículos, de origem estrangeira e sem a devida documentação no Brasil.

O inquérito policial que apura o envolvimento sexual de Nicodemos com adolescentes no município de Coronel Sapucaia já foi encerrado e encaminhado até o Fórum de Amambai, mas ainda está parado no cartório desde o dia 14 de janeiro. “Eu não sei porque ele ainda não chegou ao Ministério Público mas estamos apurando”, afirmou o magistrado.

Acusações

O policial foi preso em flagrante depois de ameaçado de morte uma menor que foi ouvida pelo Núcleo de Investigação da Corregedoria de Polícia Civil no último dia 5, um dia antes de sua prisão. Nicodemos é acusado de manter relações sexuais com meninas de 13 a 16 anos. O crime de estupro de vulnerável é caracterizado quando cometido contra jovens de até 14 anos, depois dessa faixa etária, se houver força física também é considerado estupro.
O acusado chegou à Capital no dia 7 de janeiro e está detido no 3º Distrito Policial.

Leia Também