Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Policiais egípcios são condenados à prisão pela morte de blogueiro

3 MAR 14 - 22h:00Agência Brasil

Dois policiais egípcios foram condenados hoje (3) a dez anos de prisão pela morte de um blogueiro, cujo assassinato desencadeou as manifestações de 2011, que levaram à queda do regime do ex-presidente Hosni Mubarak.

Os dois policiais, Mahmud Salah Mahmud e Awad Ismail Suleiman, foram condenados após um novo julgamento por homicídio e tortura de Khaled Said, em junho de 2010, quando o detiveram ilegalmente em um cibercafé de Alexandria.

Inicialmente, Mahmud e Suleiman foram condenados a sete anos, em outubro de 2011, por brutalidade excessiva.

A morte de Said levou a manifestações contra o então presidente Hosni Mubarak, depois da publicação, na internet, de fotografias do rosto esmagado e deformado do blogueiro, de 28 anos.

A tentativa dos responsáveis egípcios de ocultar o homicídio, afirmando que Said morreu depois de engolir um saco com drogas no momento em que foi detido, aumentou a fúria dos opositores de Mubarak.

Um relatório da Justiça indicou, posteriormente, que Khaled Said morreu por asfixia, depois de ter sido espancado, e que o pacote de drogas foi enfiado na boca quando já estava inconsciente.

Um grupo criado na rede social Facebook, denominado "Todos somos Khaled Said", ajudou a organizar 18 dias de manifestações que levaram à queda de Mubarak, em fevereiro de 2011.

Desde que o presidente islamita eleito Mohammed Morsi foi afastado, em julho passado, o governo apoiado pelos militares tem aumentado a repressão contra os manifestantes, especialmente os apoiantes do movimento islamita Irmandade Muçulmana, ao qual pertence Morsi. Pelo menos 1.400 pessoas, na maioria islamitas, morreram em confrontos desde que Morsi foi afastado do poder.

Três anos depois da deposição de Mubarak, a polícia egípcia é novamente acusada de brutalidade e maus tratos nos centros de detenção. Acusações que o Ministério do Interior nega.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Polícia prende funcionária de atacadista suspeita de desviar R$ 1,1 milhão
INTERIOR

Polícia prende funcionária de atacadista suspeita de desviar R$ 1,1 milhão

BRASIL

Mais três vítimas de incêndio em hospital do RJ têm alta

Muito esperada, chuva rápida aparece em algumas regiões da Capital
FINALMENTE

Esperada, chuva rápida aparece em Campo Grande

Coluna semanal com dicas <br>e novidades sobre automóveis
COLUNA CARMAIS

Coluna semanal com dicas e novidades sobre automóveis

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião