Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CASA LAR

Policiais dão aulas de artes marciais para crianças

19 FEV 14 - 07h:18DA REDAÇÃO

O investigador da Polícia Civil e professor de artes marciais, Edson Alves Martins e o Major da Polícia Militar, Josafá Dominoni de Cassilândia (MS), abraçaram a campanha “Conte até 10”, desenvolvida pelo Ministério Público em nível nacional e estão dando aulas de artes marciais para crianças e adolescentes acolhidos na Casa Lar do município.

O projeto com linguagem direta, que tem por objetivo fortalecer a proteção prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é desenvolvido em Cassilândia pelos promotores Bianka Mendes e Adriano Lobo Viana de Resende, com o apoio dos policiais, que viram na prática das artes marciais, um caminho de disciplina e respeito ao próximo, a ser oferecido aos menores acolhidos. 

Edson explica que o Jiu-Jitsu, esporte no qual é faixa preta, e o Judô desenvolve no praticante qualidades como confiança, autocontrole, pró-atividade e cooperação social, além é claro de contribuir significativamente para a formação do caráter do ser humano. “Em pouquíssimo tempo já percebemos uma melhora bastante significativa nas crianças e jovens, o próximo passo agora é colocá-los para competir”, afirma o investigador.

Conte até 10

Atletas como Anderson Silva – campeão mundial de UFC, Júnior Cigano – campeão mundial de UFC, Sarah Menezes – campeã mundial de Judô e Leandro Guilheiro – medalhista olímpico de Judô, estão entre os atletas que protagonizaram a campanha “CONTE ATÉ 10”, desenvolvida pelo Ministério Público em nível nacional no ano de 2012, isso pela certeza da importância e influência que esses atletas tem exercido sobre os jovens do Brasil e do mundo.

Na campanha, esses atletas pediam aos jovens que contassem até 10 antes de partir para a briga, problema recorrente nas escolas. A ação teve um impacto direto nas escolas, onde os promotores de justiça se reuniam com os estudantes que aceitavam o discurso, pelo fato de “falar a língua” deles.
 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Pan, BMG e Bradesco lideram ranking de reclamações contra bancos do BC

ECONOMIA

Superintendência do Cade decide arquivar inquérito contra bandeiras de cartões

BRASIL

Quadrilha desviava cartões de crédito remetidos pelos Correios

Estado restaura as MS-164 e MS-384, vias de escoamento e integração da fronteira
TRANSPORTES

Estado restaura as MS-164 e MS-384, vias de escoamento e integração da fronteira

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião