Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPERAÇÃO

Polícia Rodoviária Federal intensifica fiscalização nas BRs a partir de hoje

Polícia Rodoviária Federal intensifica fiscalização nas BRs a partir de hoje
28/02/2014 00:00 - RAFAEL BUENO


A Polícia Rodoviária Federal inicia hoje (28) a Operação Carnaval, intensificando a fiscalização ostensiva preventiva em locais e horários estratégicos, de maior incidência de mortes e feridos em Mato Grosso do Sul. Em 2013, foram 114 acidentes com 19 pessoas feridas gravemente, além de sete óbitos.

Para garantir a segurança dos condutores, as fiscalizações serão reforçadas, especialmente, ao longo das BR-163 e BR-262, abrangendo as regiões de Campo Grande, Dourados, Coxim e Três Lagoas, que são as que registram o maior número de acidentes.

“Intensificaremos as fiscalizações a fim de evitar acidentes e diminuir a violência no trânsito, com o aumento do efetivo e uso de equipamentos de última geração, como radares e etilômetros”, afirma o chefe da Seção de Policiamento e Fiscalização da PRF, inspetor Airton Motti Júnior.

A Operação Carnaval será lançada nesta manhã, com a presença do superintendente regional da instituição, Ciro Vieira Ferreira. Nas ações de lançamento serão realizados testes de alcoolemia com o uso do etilômetro e de radares.

Além disso, será oferecido o cinema rodoviário aos condutores que forem flagrados cometendo alguma infração. O filme será transmitido pelo ônibus multimissão da PRF, enquanto a multa é lavrada.

Durante os dias de operação, haverá ações específicas de fiscalização e educação para o trânsito também na BR-163, em Dourados e na BR-262, no município de Corumbá. Os trabalhos estão integrados à Operação Rodovida, que teve início no dia 13 de dezembro de 2013 e se encerra no dia 9 de março. 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?