Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

ATENTADO

Polícia quer identificar segundo suspeito de tiroteio no Arizona

9 JAN 2011Por R709h:34

Autoridades americanas convocaram a população neste domingo (9) para ajudar a identificar uma segunda pessoa que pode estar associada ao tiroteio ocorrido no Arizona neste sábado (8), que matou até agora seis pessoas e deixou 13 feridos, dentre eles a deputada democrata Gabrielle Giffords.

Segundo a rede CNN, no começo da manhã, investigadores divulgaram uma imagem captada por uma câmera de segurança mostrando um homem que teria sido visto no local do massacre.

A xerife do condado de Pima, Clarence Dupnik, havia informado ontem que as autoridades estavam à procura de um segundo envolvido no crime.

Já está preso um homem de 22 anos identificado pela imprensa americana como Jared Lee Loughne, considerado o principal suspeito de abrir fogo no comício de Gabrielle em Tucson.

Esse outro suposto envolvido, de acordo com a CNN, é descrito como um homem branco, entre 40 e 50 anos, de cabelos escuros, que foi visto vestindo uma calça jeans e uma jaqueta azul-escura.

O Escritório Federal de Investigação divulgou números para aqueles que quiseram fazer uma denúncia.

Ainda não está claro o que teria motivado o suspeito Loughner a promover um atentado contra Gabrielle. Segundo o jornal The Washington Post, um indivíduo de mesmo nome postou vídeos no You Tube com vagas mensagens antigovernistas.

O rapaz não estaria cooperando com a polícia até a noite de sábado, informou The Washington Post.

Massacre choca EUA

O atentado contra a congressista Gabrielle chocou os Estados Unidos. Na madrugada deste domingo a congressista continuava internada no Centro Médico de Tucson em estado crítico e sem recuperar completamente a consciência, disse a porta-voz do hospital, Darcy Slaten, segundo o jornal The Arizona Republic.

Gabrielle, de 40 anos, foi eleita para o Congresso pela primeira vez em 2006 e trabalhou com assuntos relacionados a aeronáutica, ciência, tecnologia e serviços armados. Ela é casada com o astronauta da Nasa Mark Kelly, que vai liderar uma das próximas viagens à ISS (Estação Espacial Internacional).

Entre os seis mortos estão uma menina de nove anos e o juiz federal John Roll, que participou de vários casos migratórios e havia recebido ameaças.


 

Leia Também