CIDADES

Polícia prende homem acusado de assalto a casa lotérica na Capital

Polícia prende homem acusado de assalto a casa lotérica na Capital
27/02/2010 05:09 -


O Grupo Armado de Repressão a Assaltos, Roubos e Sequestros (Garras) prendeu Adeilson Caciano da Silva, vulgo “Barriga”, 30 anos, apontado como um dos responsáveis pelo assalto à lotérica Vinha, localizada na Avenida Calógeras, em Campo Grande. O roubo ocorreu no dia 29 de dezembro último. Segundo a polícia, Adeilson, que confessou sua participação no crime, estava cumprindo pena por roubo na Colônia Penal, unidade de regime semiaberto. Ele foi reconhecido por funcionários da lotérica. O acusado teria cometido o assalto em companhia de dois indivíduos, todos armados com revólver calibre 38. As armas, conforme “Barriga”, foram fornecidas no dia do crime por um indivíduo conhecido como “Abobrão”, evadido da Colônia Penal. Com a prisão de Adeilson, o Garras busca o esclarecimento do roubo registrado no dia 30 de dezembro último, no Prático 2, na Avenida Guaicurus. No local foram subtraídos dinheiro, celulares e uma pistola calibre ponto 40 de um policial militar. A vítima reconheceu Adeilson. As investigações também indicam que “Barriga” teria participado do roubo ocorrido no Hipermecardo Comper, localizado na Avenida Mascarenhas de Moraes, inclusive com a participação de seu irmão, Ronaldo Batista da Silva, 31, vulgo “Parrudo”, que já está preso. De acordo com a assessoria da Polícia Civil, Adeilson negou ter participado do crime no Prático e no Comper.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".