Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

baderna

Polícia pode 'colocar fogo' em 'rolezinhos', diz ministro de Dilma

16 JAN 14 - 16h:00FOLHA PRESS

Responsável pela articulação do governo federal com movimentos sociais e sociedade civil, o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) afirmou hoje que a ação da polícia em relação à onda de "rolezinhos" em shoppings pelo país pode "acabar colocando gasolina no fogo."

Presente em um encontro de jovens camponeses no Recife, Carvalho disse que as concentrações de jovens em centros comerciais demonstram a necessidade de lazer e diversão dos moradores de áreas periféricas. "Trata-se de mais um desses passos que a sociedade vai dando", afirmou.

O ministro, contudo, criticou o emprego de repressão policial para coibir esses agrupamentos. Disse que essas ações podem ter efeito contrário, aumentando a adesão e o caráter violento das concentrações.

"A ação inadequada da polícia pode acabar colocando gasolina no fogo", disse.
O "rolezinho" ganhou visibilidade em São Paulo no final do ano passado, e logo motivou convocações semelhantes em capitais como Brasília, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte e Fortaleza.

A Abrasce (associação que reúne 264 shoppings no país) não descarta entrar na Justiça com ação para impedir que jovens frequentem os estabelecimentos em grupo, criando "pânico" e "desconforto" para demais clientes.
 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FUNCIONÁRIOS E CLIENTES

Explosão em empresa de gás deixa quatro mortos em Boa Vista

ELIAS MALUCO

STF derruba liminar concedida a traficante que matou Tim Lopes

POLÍTICA

'Infieis' vão à Justiça para que possam deixar PDT e PSB sem perder mandato

Senado aprova divisão de recursos do pré-sal com estados e municípios
MEGALEILÃO DO PETRÓLEO

Senado aprova divisão de recursos do pré-sal

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião