Polícia ouve três suspeitos de matar delegado em SP

Polícia ouve três suspeitos de matar delegado em SP
30/08/2012 07:34 - G1


A Polícia Civil ouvia no início da manhã desta quinta-feira (30) três suspeitos de participar do assassinato do delegado Euclides Batista de Souza, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em São Paulo. Ele levou dois tiros na noite desta quarta (29), em Itaquera, na Zona Leste da capital, em frente a sua casa.

Câmeras de segurança instaladas na casa do delegado e em imóveis vizinhos ajudaram a polícia a chegar aos suspeitos. Segundo a polícia, dois adolescentes, um de 15 e um de 17 anos, aparecem nas imagens. O mais velho deles teria baleado o delegado e dado um tiro na própria perna para simular ter sido vítima de um assalto. O mais jovem teria pedido auxílio para o colega. Um homem que ajudou a socorrer o adolescente também era ouvido nesta manhã.

Os investigadores trabalharam durante toda a madrugada para esclarecer o caso. Para a polícia, o delegado foi vítima de uma tentativa de assalto. De acordo com o delegado Antônio de Olim, as imagens mostram que o delegado fechava o portão depois de guardar o carro na garagem, por volta das 23h, quando foi atingido pelos criminosos.

Nas imagens é possível ver suspeitos correndo pela calçada. “Ele não percebeu. Se ele tivesse olhado ele teria visto. Quando ele foi fechar o último portão, o cara já correu, veio com a arma na mão”, disse Olim. Ele empurra o criminoso e toma os tiros.
O delegado foi encontrado caído na calçada. Os vizinhos levaram o delegado para o Pronto-Socorro do Hospital Santa Marcelina, também na Zona Leste, mas ele não resistiu.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".