quarta, 18 de julho de 2018

ESTRADAS FEDERAIS

Polícia multa 68 por falta de cadeirinha nas rodovias de MS

8 OUT 2010Por DANIELLA ARRUDA00h:10

Entre setembro e a primeira semana deste mês, a Polícia Rodoviária Federal flagrou 68 condutores transportando crianças em veículos em desacordo com a legislação. As autuações, registradas principalmente na BR-163, referem-se à falta da cadeirinha, mas também foram constatadas outras irregularidades, como crianças sendo transportadas sem cinto de segurança ou utilizando o dispositivo de forma inadequada, no bagageiro do veículo (peruas) ou no colo de adultos.

Do total de autuações contabilizadas desde 1º de setembro, quando a PRF começou a fiscalizar o uso da cadeirinha nos veículos em circulação pelas rodovias federais, 46 foram registradas no mês passado e 22 somente na primeira semana deste mês. A fiscalização do transporte de crianças em veículos prossegue durante o feriado prolongado, quando estará sendo realizada nas rodovias federais de Mato Grosso do Sul a Operação Nossa Senhora Aparecida.

Entre os casos flagrados pelos policiais rodoviários federais, há aqueles em que a criança tem idade para utilizar o cinto de segurança, porém sua estatura é baixa e o dispositivo não atinge a altura correta, “pegando” no pescoço. Em caso de frenagem brusca, alerta o chefe do núcleo de multas e penalidades da Polícia Rodoviária Federal, Luiz Alberto Sakai, ela pode sofrer lesões graves. “Nesses casos, é necessário o uso do assento de elevação”, orientou.
Também estão com a segurança em risco crianças transportadas no compartimento de carga de veículos, situação encontrada geralmente na área rural, e no colo de adultos, mesmo que no banco traseiro. Em ambos os casos, os menores estão viajando “soltos” no carro, sem qualquer proteção. “Ainda se tem no imaginário popular que a criança sendo transportada no colo da mãe é seguro, o que é errado. Em caso de frenagem brusca, há a projeção para a frente, o peso da criança se multiplica e ela pode ser arremessada em direção aos bancos ou para fora do veículo”, destacou o inspetor Sakai.

Cuidados
Como regra geral, recomenda, todos os ocupantes do veículo devem ser considerados passageiros (independentemente de serem crianças ou idosos) e portanto têm que ser transportados com dispositivos de segurança adequados. “Jamais se deve transportar pessoas deitadas, por exemplo”, explica.

O cinto de segurança, assim como os dispositivos de retenção, devem ser adequados à condição física. (Veja orientações em infográfico ao lado) “Jamais o cinto deve estar passando pelo pescoço”, lembra o inspetor.

Todas as regras para o transporte de crianças em veículos atendem aos modelos dotados de cinto de segurança com três pontos, porém a fiscalização também será realizada nos carros antigos, que têm cintos de dois pontos (subadominais). “A legislação (Resolução nº 100 do Conselho Nacional de Trânsito, publicada em 6 de setembro deste ano) admite que a criança seja transportada com o cinto de dois pontos, desde que ele esteja acoplado a dispositivo de retenção adequado”, esclarece.

Leia Também