Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

Jardim Novos Estados

Polícia investiga tentativa de homicídio

19 MAI 2011Por EVELIN ARAUJO10h:46

A 3º Delegacia de Polícia de Campo Grande investiga a tentativa de homicídio a empresário de 30 anos,  morador da Rua Barão de Grajaú, Jardim Novos Estados, em Campo Grande, ocorrido no dia 10 deste mês. Ele estava com o bebê de uma amiga no colo quando um rapaz encapuzado efetuou seis disparos na direção do carro. Ninguém ficou ferido.

O delegado titular, Márcio Custódio, disse que a vítima relatou que, pelas características físicas, o rapaz poderia ser um adolescente, irmão de um maior de idade que teria se desentendido com ele em janeiro deste ano, por causa de som alto. Na ocasião, os dois discutiram e a vítima teria pegado uma faca e ameaçado o rapaz, que não registrou boletim de ocorrência. 

Foram feitas buscas na casa dos irmãos, onde foram encontradas três tocas e um capuz com perfurações para olhos e nariz, além de um cofre, que parece conter um objeto metálico. A polícia tem a chave do cofre, mas desconhece o segredo. "O rapaz será chamado para falar o segredo, mas a mãe alega que ele pode ter esquecido. Se ele não souber, o cofre poderá ser arrombado, pois dentro dele pode estar a arma do crime", diz o delegado.

No último dia 14 e 15, a casa sofreu outros atentados. "Foram efetuados mais disparos, só que somente contra a  casa, nesses dias. Ao todo, cerca de 18 tiros foram efetuados". 

Outro suspeito é o filho adolescente de um policial da reserva. Na casa dele, foi encontrado um revólver e munições. "A arma foi apreendida para investigação", explica Márcio Custódio. 

Suspeitos e nenhum preso

A polícia esclarece que o caso ainda está sob investigação e ninguém foi preso. São ouvidos o adolescente filho do policial e os irmãos, um adolescente e o outro maior de idade. "Todos são apenas suspeitos, é preciso dar prosseguimento nas investigações", diz o delegago.

Silêncio e medo

O delegado afirma também que os vizinhos não têm contribuído para as investigações, por medo de falar. "Quem sabe alguma coisa não quer falar, por medo de se tornar vítima também". A polícia investiga a denúncia que vizinhos fazem, de que a vítima poderia ser dona de uma casa de prostituição. 

Leia Também