Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Polícia Federal apreende 800 kg de maconha em barreira

Polícia Federal apreende 800 kg de maconha em barreira
26/05/2010 08:54 -


EDILSON JOSÉ ALVES, PONTA PORÃ

Agentes da Delegacia de Polícia Federal em Ponta Porã barraram na noite de segunda-feira, na MS-289, carregamento de maconha oriundo de Capitán Bado, no Paraguai. A droga foi apreendida durante barreira montada na  rodovia estadual, que liga as cidades de Amambaí e Coronel Sapucaia, na região de fronteira. O motorista conseguiu fugir do cerco policial, enquanto uma mulher que fazia o serviço de batedora da carga foi autuada em flagrante.

Conforme as informações da Polícia Federal, os agentes faziam fiscalização de rotina na MS-289, que demanda para Coronel Sapucaia e também para a cidade paraguaia de Capitán Bado, por volta das 21h, quando foi parada para fiscalização V.C.R. de 25 anos. Ela pilotava uma motocicleta Honda Twister.
Durante a vistoria, o telefone de V.C.R. começou a tocar insistentemente, mas ela preferiu não atender. Ato contínuo, uma caminhonete Ford Ranger, com placas de Minas Gerais, que seguia no sentido Coronel Sapucaia-Amambai, ao avistar a barreira na pista fez o retorno e empreendeu fuga.

Perseguição
Os policiais iniciaram a perseguição, mas logo à frente o motorista abandonou o veículo e fugiu para o meio de uma mata. Na caminhonete os policiais encontraram centenas de tabletes de maconha, que totalizaram 800 kg, além de um aparelho de telefone celular com o número discado da jovem que estava detida. Isso acabou comprovando que ela atuava como batedora, ou seja, tinha a missão de verificar se a polícia estava na pista.

A acusada foi levada para a Delegacia de Polícia Federal em Ponta Porã, onde foi autuada em flagrante por tráfico e associação ao tráfico de drogas.
Agora, os policiais trabalham para identificar e prender o motorista que fugiu durante a ação policial. O objetivo é descobrir quem era o proprietário e qual o destino seria dado para o entorpecente.

Felpuda


Espalhar notícias ruins tornou-se muito mais rápido com o uso da tecnologia, e, além disso, não se trata mais de ações dos adversários. Isso é o que pôde ser visto ultimamente, quando a tchurminha do “aliado” tratou de deixar muita gente informada sobre o que a chamada "grande imprensa” tinha publicado, enviando notícias pelo WhatsApp e postando nas mídias sociais. E assim caminha a humanidade...